viagra online

http://www.newmoney.gov/newmoney/image.aspx?id=136


TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 26/11/2014 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / China desdenha a ‘abertura’ dos EUA sobre Síria
Date of publication at Tlaxcala: 01/08/2012
Original: China spurns US overture on Syria

China desdenha a ‘abertura’ dos EUA sobre Síria

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Há vários modos de interpretar a visita do Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Thomas Donilon a Pequim essa semana (dias 23-25/7) – a primeira visita desse alto servidor da Casa Branca nos últimos cerca de oito anos. Uma dessas interpretações é que Donilon tenha sido escalado pelo presidente Obama para a função de bombeiro, para apagar os incêndios provocados pela secretária de Estado Hilária Clinton, que “corre de um lado para outro para conter a China” como uma espécie de John Foster Dulles fora de época — como se lia em comentário no jornal People’s Daily.[1]

Thomas Donilon

O comentário obrigou Washington a relembrar a crise dos mísseis cubanos em 1962 e a considerar a questão de por que a China não mereceria “o devido respeito (...) por seus interesses e preocupações na região do Pacífico Asiático.” Alertava que os EUA estão provocando a China, “já próximo do limite do intolerável em questões relacionadas a interesses chineses cruciais, como a disputa pelas ilhas Diaoyu [com o Japão] e o Mar do Sul da China – atitude contraproducente e perigosa.”

“O enterro intencional do sistema de Yalta pode destruir os pilares legais do sistema de poder existente no Leste da Ásia; sem ele, muitas questões históricas nunca resolvidas converter-se-ão em novas disputas, o que provocará dano grave a interesses de China, Rússia e também dos EUA.”

Como se não bastasse, os EUA cultivam ambições “muito além de sua capacidade real e podem sofrer outro contragolpe importante” semelhante ao que sofreram na Guerra da Coreia e na Guerra do Vietnã. Como manifestação, na recepção ao alto funcionário visitante e enviado chave de Obama, o comentário não poderia ter passado despercebido.

Mas fato é que a parceria China-EUA é “Suplício de uma saudade”[2]. Apesar do tom azedo e da irritação que lhe provoca o movimento de “pivô”, de Obama, na direção da Ásia, a China continua a ser o maior detentor de papéis da dívida dos EUA: o total já chega agora a 1,17 trilhão de dólares, depois de a China ter comprado mais $25,6 bilhões desses papéis, só em dois meses – maio e junho.

A China admite que não deveria estar pondo todos os ovos numa só cesta, mas, mesmo assim, parece estar fazendo exatamente isso. As reservas chinesas em ouro equivalem a apenas 1,6% do total das reservas. Claro, funcionários chineses insistem que a preferência pelo dólar dos EUA é questão puramente econômica — e explica-se pela segurança, liquidez e rentabilidade da moeda[3]. O caso é que não há economia sem consideração à política – ou vice-versa. 

Outra vez, a economia chinesa está respondendo às medidas governamentais de estímulo, e há boa chance de a atividade econômica recomeçar em breve a nadar para cima. Enquanto isso, as economias europeias bracejam (inclusive a economia alemã), mas parecem destinadas a longo período de vacas magras. O que, por sua vez, torna o mercado chinês vitalmente importante para as exportações dos EUA.[4]
 
 
Fato é que, nem bem Donilon chegou a Pequim, chegaram ao mundo estonteantes notícias do Canadá, onde, na 2ª-feira, a empresa estatal China National Offshore Oil Corporation (CNOOC) comprara as instalações da Nexen em Calgary, por $15,1 bilhões. Em versão resumida: as reservas de petróleo em areias canadenses, as quais, por ironia, o Big Oil dos EUA muito fez para desenvolver durante 50 anos, estão agora ao alcance da China, acompanhadas da alta tecnologia canadense. Os depósitos de petróleo canadenses são a terceira maior fonte de cru extraível do planeta.

Conforme dados divulgados pela rede Bloomberg,[5] a China gastou $53,4 bilhões na compra de campos de petróleo e gás e de empresas canadenses; contra $30,8 bilhões das empresas norte-americanas. Pequim anunciou que instalará em Calgary um dos quartéis-generais do braço internacional da estatal CNOOC e seu centro operacional de supervisão das empresas chinesas na América do Norte e na América Central. Os políticos na colina do Capitólio estão lívidos: começam a temer que os EUA não estejam compreendendo corretamente o roteiro do filme.[6]

Curiosamente, no mesmo dia Pequim anunciou também o estabelecimento da cidade de Sansha, na ilha  Yongxing, na província de Hainan, extremo sul do país.[7] 
 

Visão futurista oficial da nova cidade de Sansha City


No encontro com Donilon, na 3ª-feira, o presidente Hu Jintao destacou que Washington e Pequim devem “respeitar-se mutuamente, cuidar mutuamente dos interesses respectivos e tratar as questões sensíveis de modo atento, cuidadoso, adequado e estável”. E que, como sempre ficou decidido que seria feito, em inúmeros encontros sino-americanos, os dois países devem explorar “o modo de desenvolver um novo tipo de relacionamento”[8] que seja cooperativo e baseado em respeito mútuo para mútuo benefício. Donilon respondeu “Nós [EUA] entendemos que nosso relacionamento é definido pela cooperação prática.”

Um dos objetivos de Donilon era fabricar alguma “cooperação prática” com vistas à questão síria. Houve pistas, encontráveis em toda a mídia chinesa, de que a Síria seria um dos temas das conversações. Mas dia seguinte, imediatamente depois da partida de Donilon, o jornal estatal China Daily[9] publicou ataque candente contra os planos dos EUA de promover intervenção “pelo molde da intervenção na Líbia”, também na Síria. O comentário do China Daily dizia e repetia que a possibilidade de haver qualquer “cooperação prática” entre EUA e China, na Síria, hoje, no pé em que estão (e permanecem) as coisas é virtualmente zero, nihil.
 

Notas

[1] 23/7/2012, People Daily, Pequim, em http://english.peopledaily.com.cn/90883/7883497.html#

[2] Orig. “is a many-splendoured thing” Lit. “é a coisa mais deslumbrante”. “Suplício de uma saudade” é o título que recebeu, no Brasil, o filme “A many-splendoured thing” (1955), história de uma paixão tão arrebatadora quanto impossível (ou, no mínimo MUUUUUUUUITO difícil) entre William Holden e Jennifer Jones, em Hong Kong, durante a Revolução Comunista Chinesa (para alguns comentaristas) ou a Guerra Civil na China (para outros). Filme e trilha sonora foram imensíssimos sucessos planetários, e a canção-tema mereceu incontáveis gravações (http://pt.wikipedia.org/wiki/Love_is_a_Many-Splendored_Thing) [NTs].

[3] 24/7/2012, idem, em http://english.peopledaily.com.cn/90778/7885016.html

[4] 24/7/2012, idem, em http://in.reuters.com/article/2012/07/24/economy-global-idINDEE86N08N20120724

[5] 24/7/2012, Bloomberg, em http://www.bloomberg.com/news/print/2012-07-23/canada-shifts-toward-china-with-15-billion-nexen-bid.html

[6] 27/7/2012, Reuters, em http://articles.economictimes.indiatimes.com/2012-07-27/news/32889291_1_cnooc-oil-assets-cfius

[7] 24/7/2012, Xinhuanet, em http://news.xinhuanet.com/english/china/2012-07/24/c_131734893.htm

[8] 24/7/2012, Xinhuanet, em http://news.xinhuanet.com/english/china/2012-07/24/c_131735953.htm

[9] 26/7/2012, China Daily, em http://usa.chinadaily.com.cn/opinion/2012-07/26/content_15618832.htm

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2012/07/27/china-spurns-us-overture-on-syria/
Publication date of original article: 27/07/2012
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=7855

 

Tags: ChinaEUASíriaEUA-ChinaTom DonilonPetróleo e gásCNOOCNexenCanadáÁsia-Pacífico
 

 
Print this page
Print this page
  Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.