viagra online

http://www.newmoney.gov/newmoney/image.aspx?id=136


TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 21/11/2014 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Bem-vindos ao Novo Grande Jogo
Date of publication at Tlaxcala: 27/07/2012
Original: Welcome to the new Great Game
Translations available: Deutsch  فارسی  Español 

Bem-vindos ao Novo Grande Jogo

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

O Ocidente não está exatamente interessado em incentivar uma Primavera Árabe ao longo da Rota da Seda

O Norte da África e a Ásia Central parecem partilhar os mesmos tormentos: ditaduras, corrupção desenfreada, miséria, alto desemprego entre os jovens, total controle sobre a mídia e limitado espaço de ação para qualquer tipo de oposição.  

Não surpreende que as primeiras escaramuças da Primavera Árabe no Norte da África – lutas populares por democracia – tenham deixado apavorados a maioria dos governos ao longo da Rota da Seda. Mais que democracia, o que viram ali foi o espectro da islamização. Daí o bloqueio de Facebook e Twitter, a instalação de filtros de internet made-in-China – combinados à ausência de qualquer rede de notícias semelhante à Al Jazeera para disseminar a Palavra. 

Os homens-fortes centro-asiáticos têm razão de andarem temerosos, olhando atrás a cada passo – de fato, aterrorizados – com o que está acontecendo no Egito e na Síria. Islam Karimov no  Uzbequistão, e Nursultan Nazarbayev no Cazaquistão estão no poder, cada um, há 21 anos. Emomalii Rakhmon permanece na presidência do Tadjiquistão desde a sangrenta guerra civil dos anos 1990s.  

Sim, houve transição política no Turcomenistão em 2007, quando morreu o esfuziante Saparmurad Niyazov. Mas a serpente continuou a serpentear como sempre serpenteara também no governo do novo líder, Gurbanguly Berdymukhamedov.    

O caso mais complexo é o Quirguistão, que passou pela sinistra Revolução da Tulipa em 2005 e pela Revolução anti-Tulipa em 2010. Hoje, o Quirguistão é república parlamentar pluripartidária, mas continua naufragado em miséria, com sérios antagonismos entre norte e sul e o Vale Ferghana, campo minado de disputas étnicas.

Noutros pontos, prevalecem reformas cosméticas. O Parlamento é hoje um pouco menos caricato no governo de Karimov – do que seria, em tese, sob Nazarbayev.

Mas esqueçam eleições livres e justas, mídia independente ou verdadeiro debate multipartidário. O Uzbequistão poderia facilmente se converter numa Síria Centro-Asiática, com guerra civil entre o sistema Karimov, o exército, os radicais, o Movimento Islâmico do Uzbequistão (MIU) alinhado com os Talibã e a oposição secular. Quanto à porosa fronteira tadjique-afegã, continua a ser atração extremamente atraente para o Islã radical.

Entreguem-me na minha base a tempo[1]

A Ásia Central é crucial, porque está no coração da Eurásia – e, pois, no coração do Novo Grande Jogo, no qual se confrontam essencialmente EUA versus Rússia e China, com vasto sortimento de players menores, como Irã, Turquia e Paquistão.

No que tenha a ver com o jogo hardcore de poder chamado Novo Grande Jogo, ninguém ali sequer cogita, remotamente que fosse, de democracia. Washington parece dar a impressão de que a Ásia Central é área de influência russa – e chinesa. Nada disso. Não há projeto que seduza mais o establishment de inteligência norte-americana que as bases militares dos EUA, por toda a Ásia Central.

No final de junho, as autoridades do Uzbequistão deixaram a Organização do Tratado de Segurança Coletiva [ing. Collective Security Treaty Organisation (CSTO)]. Esse CSTO é um fórum que existe há dez anos, de questões político-militares, que reunia Rússia, Belarus, Armênia e, até a defecção do Uzbequistão, os cinco ‘-stãos’ da Ásia Central.

Tashkent disse[2] que se separava da CSTO por causa de “diferenças” relacionadas ao Afeganistão. A verdadeira razão, segundo Vadim Kozioulin, especialista em Ásia Central: uma complexa negociação com Washington para, talvez, ‘devolver’ aos EUA a base militar de Khanabad, que passou a ser usada pela Rússia desde que Karimov expulsou de lá os EUA, em 2005.

Os uzbeques podem por a mão em uma montanha de bugigangas, se o negócio sair: armas, toneladas de equipamento não militar que, se não tiver esse destino, será deixado apodrecer no Afeganistão e, o principal prêmio, o status de “aliado estratégico dos EUA”.[3]

O objetivo central de Washington em tudo isso é – e o que mais seria?! – acrescentar mais um elo no progressivo cercamento do Irã. É há também o objetivo de Tashkent – torpedear o projeto que é hoje menina-dos-olhos do presidente Vladimir Putin da Rússia: uma União Eurasiana.[4]

O Tadjiquistão, por sua vez, acirra a disputa entre Moscou e Washington em torno do aeroporto militar de Aini, a apenas 15 quilômetros da capital Dushanbe. Tadjiquistão hospeda a 21ª Divisão Russa, com mais de 6 mil homens, na maior base russa fora da Rússia, de todo o mundo.

Washington já está no Quirguistão via a pequena base de Manas, próxima da capital Bishkek – crucial para a guerra do Afeganistão. Mas Bishkek quer muitos rublos pelo aluguel, a Moscou, de três outras bases.

O resumo de tudo é que essas elites centro-asiáticas imensamente corruptas já salivam, antecipando o momento em que a OTAN deixará o Afeganistão, em 2014. Mas os EUA, seja como for, permanecerão lá, com aqueles 20 mil e tantos “conselheiros”. E a todos esses regimes, Washington mantém a oferta proverbial que eles não podem recusar: apoio político.

Uma coisa é certa: Putin fará o diabo; quem tentar deter Moscou pagará caro.

Agora, sobre a ‘comunidade internacional’ real

O Novo Grande Jogo corria solto, quando os presidentes de China, Rússia e os quatro “-stãos” (menos o Turcomenistão idiossincrático) reuniram-se em Pequim, no início de junho, para a reunião de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) [orig. Shanghai Cooperation Organisation (SCO)].[5]

Importantíssimo, os presidentes do Afeganistão, Irã, Paquistão, Turcomenistão e Mongólia, além do ministro de Relações Estrangeiras da Índia também participaram daquele encontro. Não poderia haver melhor cenário para que a OCX anunciasse – via Moscou e Pequim – outra visão de mundo, a deles, absolutamente diferente da visão de mundo ocidental.

Eis aqui, então, parte considerável do que a verdadeira “comunidade internacional”, a real – não aquela ficção de que falam Washington, Londres e Paris – pensa sobre episódios chaves do Novo Grande Jogo.

A OCX é absolutamente contrária ao esquema de escudo de mísseis de EUA-OTAN. Quanto aos ‘-stãos’ centro-asiáticos, melhor que se mantenham afastados da OTAN: se houver crise regional, terá de ser resolvida regionalmente. A OCX quer “um Afeganistão independente, neutro e em paz” (o Afeganistão já foi promovido ao status de observador da Organização de Cooperação de Xangai); é o mesmo que dizer, com outras palavras, que Rússia e China farão o que for preciso fazer e possam fazer para apagar a influência dos EUA sobre Kabul.

A OCX condena intervenções ditas “humanitárias” à moda do que foi feito contra a Líbia, e todo os tipos de sanções unilaterais. A OCX privilegia a lei internacional da velha escola que produziu a Carta da ONU – e trabalhará a favor de uma futura reforma do Conselho de Segurança da ONU. Sobre a Síria, a única solução é o diálogo político, no qual Moscou, sempre sensível, incluirá o Irã.

A OCX considera “inaceitável” um possível ataque contra o Irã. Ao mesmo tempo, e importantíssimo, nem Pequim nem Moscou querem ver alguma hipotética bomba nuclear iraniana.

Haverá crescente cooperação econômica entre os estados-membros da OCX. Passos futuros incluem um Banco de Desenvolvimento da OCX. Moscou continua a ser o principal parceiro comercial dos ‘-stãos’ centro-asiáticos.

E um desenvolvimento muito intrigante: a Turquia, estado-membro da OTAN – e parte da rede chamada “escudo de mísseis” dos EUA – foi admitida como “parceira para diálogos”, na Organização de Cooperação de Xangai. Nada de admissão, pelo menos ainda não, nem para Índia nem para o Paquistão. Mas é inevitável que, em futuro próximo, esses países também se tornem membros plenos, assim como o Irã.

Ainda não se pode falar de uma OTAN oriental. A Agência de Notícias Xinhua, em movimento de despistamento, insiste que a Organização de Cooperação de Xangai é uma “parceria”, não uma “aliança”.

O que está blowing in the wind?

A OTAN, evidentemente, tem ideias diferentes. Convidou quatro “-stãos” (exceto, outra vez, o Turcomenistão) a participarem da reunião de cúpula da aliança, em Chicago, em maio. A OTAN tem anseio ainda mais forte que o da OCX por “parcerias”. Mas, em idioma da OTAN, “parcerias” significa “bases militares.

Dizer que a OTAN e a OCX estão em rota de colisão é dizer pouco. Já há muito tempo o foco da OCX deixou de ser o fundamentalismo islamista – como o dos Talibã no Afeganistão. De agora em diante, como o ministro Sergei Lavrov das Relações Exteriores da Rússia deixou bem claro, a OCX terá política comum para qualquer tipo de crise na região – e, por falar nisso, também para crises fora da região.

A principal e mais grave dor de cabeça que a OCX terá de enfrentar, em clave local, será o Uzbequistão. Wily Karimov está aumentando as apostas como se não houvesse amanhã.

A Rede Norte de Distribuição da OTAN [orig. NATO's Northern Distribution Network (NDN)] para o Afeganistão inclui Uzbequistão, Tadjiquistão e Turcomenistão. O que o trio realmente quer é lucrar o mais possível por ser território de passagem. Dado que a agenda real (oculta) da OTAN não é qualquer “securitização” da Ásia Central, mas criar uma barreira que impeça o avanço da influência de Rússia e China, está montado o cenário para episódios épicos de barganha e corrupção desenfreadas.

O que é e continua bem claro é que, nessa nova rodada do Novo Grande Jogo, o que menos o ocidente deseja ver operante é alguma “democracia”. Por esse motivo, o ocidente não facilitará processo algum que ameace soprar algum sopro de Primavera Árabe na direção dos países da Rota da Seda.
 

Notas dos tradutores:

[1] Orig. “Get me to my base on time”. Todos que trabalhamos nessa tradução lembramos de “Get me to the church on time” [“Amarrem-me, prendam-me, chamem o Exército, mandem-me pelo Correio, mas... entreguem-me na Igreja a tempo”], de My Fair Lady, cantado na Broadway em 1957 por Stanley Hollowly, já vestido a caráter, que sai para beber com os amigos feirantes, na véspera do casamento. Inesquecível. Pode ser visto e ouvido a seguir:http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=6jYsyD3Hiw4

 
 

[2] 29/6/2012, Voz da Rússia em: Small loss of(em russo)

[3]  4/7/2012, Nezavisimaya Gazeta, Victoria Panfilov em: Uzbequistão se volta para os EUA (em russo)

[4] 3/10/2011, Reuters, Gleb Bryanski em: Russia's Putin says wants to build “Eurasian Union” (em inglês)

[5] 26/6/2011, Al-Jazeera, Pepe Escobar, na redecastorphoto em: Pequim e Moscou, depois da reunião da Organização de Cooperação de Xangai, em português.Ver também, sobre o mesmo encontro, em: 13/6/2012, Asia Times online, MK Bhadrakumar, na redecastorphoto em: OCX: para enfrentar tempos de mudanças, em português.





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2012/07/2012722133942605266.html
Publication date of original article: 25/07/2012
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=7833

 

Tags: Novo Grande JogoÁsia CentralMundo ÁrabeOTAN Rússia ChinaDemocraciaPetróleo e gásGeoestratégiaGeopolíticaOrganização de Cooperação de Xangai (OCX)
 

 
Print this page
Print this page
  Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.