viagra online

http://www.newmoney.gov/newmoney/image.aspx?id=136


TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 23/10/2014 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Instabilidade árabe e estratégia dos EUA
Date of publication at Tlaxcala: 23/07/2012
Original: Arab instability and US strategy

Instabilidade árabe e estratégia dos EUA

Joseph Massad جوزيف مسعد

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Um ano e meio depois do que a imprensa e funcionários do governo dos EUA insistem em chamar de “Primavera Árabe”, há bem pouca democracia nos países árabes, inclusive nos países que derrubaram ditaduras e ditadores apoiados pelos EUA. A principal mudança na região é o fim da estabilidade que havia e a implantação de uma nova instabilidade que tem efeitos negativos para os investimentos do capital imperial e sobre toda a estratégia imperial na região.

Isso não implica dizer que, apesar das vacilações iniciais, o imperialismo norte-americano não tenha conseguido recapturar vários fios do novo jogo político na região e que já não os esteja manipulando. Só implica dizer que o imperialismo norte-americano já não controla todos os fios. A evidência de que os EUA não têm controle total significa que Washington ainda não foi capaz de restaurar a estabilidade, a qual, em termos norte-americanos, é definida como governos ditatoriais inchados de funcionários que são obedientes cumpridores do diktat dos EUA e seus parceiros juniores na região: a colônia-ocupação judeu-sionista.

 

Primavera Árabe Spring, por Ung Bun Heang Fevereiro de 2011

Instabilidade sem democracia

No Iêmen, os EUA tornaram-se novos ditadores diretos absolutos do país, no qual já dispensaram o agente local. Estão prendendo e matando iemenitas à vontade, sob o pretexto de combater o terror da al-Qaeda, que sequer existia no Iêmen antes de os EUA decidirem intervir naquele país empobrecido. O terror que as forças e o embaixador dos EUA naquele país, Gerald Feierstein, ali impuseram é a principal realização do governo Obama desde o início das revoltas árabes, em janeiro de 2011.

O outro país árabe sobre o qual os EUA exercem controle quase absoluto é o Bahrain, apesar de todas as tentativas empreendidas pela ditadura bahraini, mercenários sauditas operam – sabidamente ajudados por militares e forças de segurança dos EUA e Grã-Bretanha, que operam no apoio e consultoria – para esmagar a revolta, violência contra a qual continua a levantar-se o valente povo oprimido do Bahrain.

Enquanto o capital regional e imperial vai lentamente abandonando o Bahrain, trocando-o pelos vizinhos Qatar, Arábia Saudita e Dubai, com êxodo em massa da comunidade de expatriados, a presença militar dos EUA, para nem falar da hegemonia dos mercenários sauditas, só se intensifica. De fato, os sauditas lançaram a ideia-teste, em maio, de anexar o Bahrain, de vez, ao reino; e transformá-lo demograficamente, o que seria feito pelo mecanismo de usar-se uma monarquia sunita sectária para oprimir uma maioria xiita.

Na revolta que prossegue, os sauditas das regiões de Qatif e Al-Ahsa responderam àquela proposta, nos últimos dias – pregando, em aberto desafio ao despotismo dos sauditas e suas decisões imperiais sobre o Bahrain, a secessão: querem separar-se da Arábia Saudita e reunificar-se ao Bahrain, como antes de o estado saudita ter-se apossado da região.

Na Líbia, cujo neonome é “instabilidade” (exceto no setor do petróleo), a situação é semelhante à do Iraque nove anos depois de os EUA terem invadido e ocupado o país. Recentes eleições na Líbia confirmaram no poder o homem da OTAN, Mahmoud Jibril, apesar de sua comprovada capacidade-zero para controlar o país (exceto os campos de petróleo, policiados diretamente pela OTAN).

Quanto à competição eleitoral entre Qatar e Arábia Saudita nas eleições na Tunísia e no Egito (os sauditas apoiam as forças dos regimes depostos; o Qatar apoia a Fraternidade Muçulmana), os qataris venceram, mas sem nocaute; e os sauditas estão impondo condições.

Agentes do governo dos EUA, como sempre, jogam em todos os times, aliados, ao mesmo tempo, aos ditadores militares egípcios e aos Irmãos da Fraternidade Muçulmana, para não falar dos partidos liberais seculares.

Na Tunísia, a instabilidade do novo governo manifestou-se em disputas pelo poder entre o presidente e o primeiro-ministro, seculares e grupos salafistas, e entre o aparelho repressivo de segurança e as massas nas ruas, em protesto. O vacilante partido Ennahdha está vendo expostas ao escrutínio público as suas armações e maquinações, a mais recente das quais é ter dado passaporte diplomático ao líder do partido, Rashid al-Ghannushi, que não foi jamais nem eleito nem nomeado para cargo algum, e, mesmo assim, contra todas as convenções, obteve o tal passaporte. Acrescentando insulto à injúria, essa semana funcionários do estado tunisiano xingaram a mãe de Muhammad Bouazizi – o primeiro mártir das revoltas árabes – e a meteram na cadeia, por alegados insultos a um funcionário da Justiça.

No Marrocos, na Jordânia e em Omã, repressão e cooptação – métodos de controle tradicionalmente patrocinados pelos imperialistas – continuam ativados por governos que se mantêm no poder mediante diferentes ameaças contra diferentes grupos de cidadãos.

Exceto em três casos – Egito, Tunísia e Líbia –, o Qatar, a Arábia Saudita e os EUA mantêm-se em perfeito acordo sobre como lidar com as revoltas no resto da região (Bahrain, Omã, Jordânia e Marrocos e, claro, no Iêmen, onde as diferenças que houvesse foram superadas pela remoção de Abdullah Saleh, que foi substituído no governo pelo embaixador dos EUA, Gerald Feierstein[1]), inclusive na Síria, onde a estratégia unificada de todos, para o curto prazo, é derrubar o governo de Assad.

Persistem os desacordos, é verdade, sobre como lidar com a Autoridade Palestina. Investigação conduzida recentemente pela rede Al Jazeera sugeriu que a morte do presidente da Autoridade Palestina Yasser Arafat pode ter sido provocada por exposição a elemento altamente radiativo, o polônio. A ideia, por sua vez, disparou por todos os lados a crença de que Arafat pode ter sido assassinado por um complô no qual cooperaram agentes israelenses e da Autoridade Palestina. Tudo isso aumenta a fragilidade e a instabilidade da Autoridade Palestina – a qual, além do mais, parece estar falida, apesar dos esforços empenhadíssimos de Israel para obter empréstimos do FMI à Autoridade Palestina, os quais, até agora, deram em nada.

O Qatar talvez goste de ver a desgraça da Autoridade Palestina, mas EUA e Israel (e os sauditas) não estão gostando. Fato é que Mahmoud Abbas correu para a Arábia Saudita, para pedir dinheiro para manter à tona a Autoridade Palestina. 



Etapas da revolução árabe: Opressão, revolução, reformas, por  Khalid Albaih  

A estratégia dos EUA

Nada disso opera a favor nem do capital nem da estratégia norte-americanos. De fato, o aspecto mais importante de todas as estratégias dos EUA na região é abrir caminho até, e preços baixos para, o petróleo, sempre – além de estimular o mais possível todas as rixas e atritos entre todos os países da região, para assim justificar que todos aqueles países consumam todos os lucros que auferem do petróleo, para comprar armas que os EUA vendem a todos eles e as quais, para que continuem a comprá-las, os países têm, é claro, que usar e gastar (armas e munição) – ao mesmo tempo em que mantêm viva a indústria bélica dos EUA.

No fundo, Washington pouca importância dá às rivalidades entre Omã e Emirados Árabes Unidos, ou entre Omã e Arábia Saudita – menos ainda, às brigas de Iêmen e Arábia Saudita, e praticamente dão importância-zero ao que o Qatar pense da ou faça à Arábia Saudita... desde que esses países não se envolvam em confronto militar real.

Em matéria de conflito real, os EUA só admitem um: guerra combinada de todos essas ditaduras, unidas e acrescidas de Kuwait e Bahrain, contra a República Islâmica do Irã.

Nessa arena, nada mudou. Embora a “instabilidade” interna no Bahrain, em Omã e na região leste da Arábia Saudita seja preocupante, funcionários do governo dos EUA (com os israelenses aplaudindo e, não raras vezes, tomando a dianteira) investem grandes esperanças e muito tempo numa pesada campanha de propaganda contra o Irã – o único, dentre os três produtores gigantes de petróleo da região (além de Iraque e Arábia Saudita), que se mantém fora da órbita na qual os EUA exercem pleno controle.

O fato de os regimes sectários do Golfo identificarem como xiitas as massas em revolta no Bahrain e na Arábia Saudita; e como ibadis, em Omã (mas o sultão de Omã é também crente ibadi; então, os sauditas puseram-se a falar mais sobre uma dita opressão que os sunitas sofreriam em Omã) facilitou a conexão que funcionários dos governos de EUA e estados do Golfo estão inventando entre a chamada “ameaça iraniana” e as revoltas locais. Assim, conseguem explicar compras cada vez mais gigantescas de armas, e preços mais em conta a pagar pelo petróleo... o que se chama “sucesso das metas políticas dos EUA”.

O petróleo e a estrutura de governo do Iraque continuam sob tutela dos EUA. Isso, aliado à transferência discreta do controle sobre os campos de petróleo líbio, para as potências europeias, tem conseguido manter a estabilidade por hora e para o futuro próximo.

Circularam rumores de que os qataris teriam sugerido que alugariam o Canal de Suez. Os rumores foram desmentidos. Mas bastaram para tranquilizar ainda mais os funcionários do governo dos EUA: parece já não haver dúvidas de que a “Primavera Árabe”, boa parte da qual foi patrocinada pelo Qatar, não prejudica nem impõe grave ameaça aos interesses dos EUA. Como sempre, não percebem que o que poderia proteger os interesses dos EUA seria a estabilidade. E o que se vê na região é só instabilidade e revolta.

Os qataris aconselham paciência. Argumentam que a região voltará à estabilidade, tão logo se implantem ali novos governos islamistas amigos do ocidente e do Golfo; então o bolo econômico afinal crescerá e poderá incluir empresários e empresárias islamistas. E dali em diante será business como sempre para os EUA, eternamente.

Egito

O recente confronto entre Muhammad Morsi, presidente do Egito, o Judiciário, o comando do Exército e os EUA e, talvez, a questão mais quente do momento. Diz-se que Washington teria encorajado o recém-eleito presidente egípcio a confrontar o Judiciário e o alto comando militar, por causa da dissolução do Parlamento. O movimento, que foi precipitado, saiu pela culatra e Morsi teve de voltar atrás, depois de ameaçado pelo Judiciário (juízes nomeados por Mubarak).

O recente movimento dos EUA, de apoiar a Fraternidade Muçulmana contra o conselho dos militares, como principal aliado, explica-se: Washington afinal percebeu que os generais não poderão mais ajudar os interesses dos EUA, porque não conseguirão impor qualquer estabilidade ao país. A oposição popular, contra os militares da era Mubarak é uniforme e forte. Nem repressão massiva, de estilo sírio, é possível, porque causaria revolta ainda mais massiva, não promoveria qualquer estabilidade e apressaria o fim desses militares.

Por outro lado, os EUA têm recebido repetidas garantias e promessas, de Khayrat al-Shatir, um dos líderes dos Irmãos Muçulmanos, neoliberal e multimilionário, de que a Fraternidade será aliada neoliberal mais confiável do capital dos EUA e a favor da estratégia dos EUA para o Oriente Médio, que Mubarak. Os qataris não se cansam de elogiar a presteza da Fraternidade Muçulmana, para tudo que signifique promover os interesses dos EUA.

Essa foi a situação que tornou menos provável o coup d’état, dos militares, contra Morsi, depois de eleito; os agentes dos EUA opuseram-se ao golpe, não porque haja alguma restrição norte-americana democrática a ditaduras (nem pensar!), mas porque havia novas análises estratégicas que indicavam que golpe algum restabeleceria a estabilidade; e, muito provavelmente, aumentaria a instabilidade.

Mas os Generais, esses, estão decididos a provar a Washington que apostou no cavalo errado, ao apoiar a Fraternidade Muçulmana. Por isso, adotaram a estratégia de minar qualquer possibilidade de o governo de Morsi vir a dar certo; por isso limitaram seus poderes e negaram-lhe o apoio da maioria parlamentar eleita. Quanto aos liberais egípcios, eles não apenas aprovaram a dissolução politicamente motivada do Parlamento (estranha aprovação, por liberais democratas, mas considerada ‘normal’ no Egito acometido de fobia-anti-Fraternidade-Muçulmana; e considerada ainda mais normal entre liberais ocidentalizados arrogantes e islamófobos); além de aprovar a dissolução do Parlamento, outro daqueles liberais democratas, empresário e capitão de indústria milionário, Mamduh Hamza, conclamou o exército a derrubar imediatamente o presidente recém-eleito.

Como parte da estratégia geral para a região, os norte-americanos continuam a manter as relações de concubinato que sempre os ligaram aos Generais e aos liberais do país, apesar da forte atração que sentem pela Fraternidade Muçulmana.

O fato de os sauditas terem convidado o presidente Morsi a interromper seu trabalho de governar e ir visitá-los e mostrar-se totalmente subserviente (apesar de os sauditas terem feito oposição à candidatura de Morsi), e o fato de Morsi ter obedecido servilmente, e ter sido humilhado durante a visita, faz perfeito sentido e comprova os laços de subserviência e conivência que unem Fraternidade Muçulmana e sauditas, desde os anos 1950s.



O cidadão árabe perfeito, por Khalid Albaih

Velhas alianças

Para recordar à Fraternidade Muçulmana quem manda e quem obedece, os jornais sauditas desenterraram uma foto, publicada há uma semana, em que se vê o fundador da Fraternidade Muçulmana Hasan al-Banna, beijando a mão do rei Abd al-Aziz, como evidência de submissão, nos anos 1940s.

 

 

 
Os sauditas deram a Morsi recepção humilhante. O novo príncipe coroado saudita recebeu Morsi no aeroporto (o rei não apareceu). E nem o novo príncipe coroado apareceu para despedir-se, nem na partida. Embora seja possível que Morsi seja independente, ou que venha a governar como presidente independente, seus inimigos insistem em apresentá-lo como testa de ferro de al-Shatir. Se for verdade, e seja lá quem for o conselheiro que Morsi ouve, é mau conselheiro. Até agora, as duas principais ações de Morsi na presidência saíram-lhe pela culatra: desafiar o Conselho Militar e visitar a Arábia Saudita.

O resultado de tudo isso para o futuro do Egito permanece incerto e obscuro, com Washington continuando a jogar dos dois lados da quadra e controlando vários cordões do jogo, mas não todos. É verdade que os EUA estão hoje menos apavorados e trêmulos de medo do que estavam imediatamente depois da queda de Mubarak. Os grandes players, ainda são os generais do Exército, além dos EUA; na fila, em sequência, vêm a Fraternidade Muçulmana apoiada pelo Qatar, e os sauditas, tradicionais apoiadores do regime de Mubarak.

Os funcionários dos EUA ainda não sabem a que o atual curso de eventos levará a região. A situação na Jordânia está ligada à do Egito, Síria, Cisjordânia, Iraque e o resto do Golfo, e permanece a mais volátil, dentre as monarquias ainda “estáveis”, situação semelhante à de Omã. As recentes manifestações massivas no Sudão visam a enfraquecer o governo despótico de Omar al-Bashir, levado ao poder por golpe contra a democracia sudanesa em 1989 (e cujas relações com os EUA azedaram nos anos 1990s), mas, até aqui, sua resposta às manifestações populares tem sido tão violenta quanto a dos sauditas ao lidar com o levante que lhes cabe.

Os norte-americanos continuam comprometidos não com alguma “democracia”, mas com a estabilidade – estratégia identificada pelo acadêmico e consultor do governo dos EUA Samuel P. Huntington, em seu livro clássico de 1968 sobre a importância da ordem e da estabilidade política no mutável Terceiro Mundo, para os interesses imperiais.

Tomar as democracias por estruturas inerentemente instáveis e as ditaduras por garantia de estabilidade já não é curso viável de ação para os agentes do governo dos EUA, mas eles ainda não decidiram se mantêm esse ideário para alguns países e o abandonam em outros casos.

Embora a região continue a carecer da democracia pela qual seus povos lutam há mais de um século, contadas a “Primavera Árabe” e as mudanças de regime que geraram, a principal conquista dos levantes populares, até agora, foi a instabilidade.

Essa instabilidade pode, sim, forçar uma mudança das regras estratégicas do jogo que os EUA introduziram na região depois da II Guerra Mundial. Essa é a boa notícia para todos os povos árabes.

[1] Sobre ele, ver “Embaixador dos EUA no Iêmen: o novo ditador”, 10/7/2012, Jamal Jubran, Al-Akhbar, Líbano.

 




Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2012/07/201271511521721772.html
Publication date of original article: 17/07/2012
URL of this page: http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=7786

 

Tags: Primavera ÁrabeRevoluções ÁrabesEUAImperialismo usamericanoStabilidadeDemcoraciaHermandade Muçulmana
 

 
Print this page
Print this page
  Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.