viagra online

http://www.newmoney.gov/newmoney/image.aspx?id=136


TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 31/10/2014 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / Os maoístas também são gente (e são indianos)
Date of publication at Tlaxcala: 03/07/2012
Original: After the latest "encounter" in Chhattisgarh: The Maoists are also Indians

Os maoístas também são gente (e são indianos)

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

 A Índia independente tem sido coerente na abordagem a milhões de motins que ameaçaram a unidade e a integridade nacionais nos últimos mais de 60 anos[1]. O padrão é mais ou menos o seguinte: ninguém se preocupa com o povo viver alienado, apesar de as causas da alienação não serem mistério e poderem ser atacadas; vez ou outra, o partido governante até explora a alienação popular, para atender seus objetivos eleitorais (Khalistan); com o tempo, as feridas se agravam; quando já estão gravemente infeccionadas, o Estado indiano cauteriza uma ou outra ferida mais infectada, sem anestesia, para que o paciente, se não morrer da cura, encolha-se de medo, guarde para sempre a horrenda memória da brutalidade do Estado, escafeda-se, com sorte, para sempre, e aprenda a lição. 


Mas nenhuma ferida, de fato, é tratada, para ser curada e nenhuma se cura. Os estados de Jammu & Kashmir e os estados do nordeste da Índia continuam sob ocupação do exército indiano. Não haverá outro modo para enfrentar a alienação política no século 21?

A Índia se orgulha de ser país diferenciado na comunidade das nações, porque é país moral. Nos fóruns internacionais, a Índia já começa a perder a timidez e começa a assumir posições no campo dos direitos e da segurança humanos – por exemplo, no caso do Sri Lanka e da Síria, no Alto Comissariado da ONU para Refugiados, em Genebra, recentemente. Tem-se manifestado nos debates no Conselho de Segurança da ONU – sobre o Sudão e o Afeganistão. São atitudes que se recomendam, é claro, para país que aspire a ser potência regional.

 
Localização do Estado de Chhattisgarh 

 
Mas, no que tenha a ver com questões nacionais, a situação é bem outra. O “grande confronto” entre o Estado indiano e os maoístas nas selvas de Chhattisgarh na 6ª-feira, mais uma vez, obriga a ver a tragédia da situação. Já começam a chegar noticias de que as forças de segurança da Índia atacaram vilas isoladas na selva e massacraram civis, na calada da noite de 5ª para 6ª-feira.

Entre os 19 maoístas mortos, há uma jovem de 15 anos – e apenas dois dos 19 mortos foram identificados como guerrilheiros extremistas de esquerda. Nesse caso, quem são os outros 17 mortos?

O ministro do Interior está preocupado com o prêmio de 10 milhões de dólares que os EUA ofereceram pela cabeça de Hafiz Saeed, fundador do grupo paquistanês Lashkar-e-Toiba, acusado de ser o principal responsável pelos ataques de 2008 em Mumbai. Façamos votos de que, quando o ministro resolver esse caso, cuide de informar o que de fato aconteceu. O pessoal dos serviços de segurança declarou que “uns poucos moradores inocentes podem ter morrido no fogo cruzado”. Santo Deus! Quanto é “uns poucos”, em termos de mortos?

O mais chocante é que nenhum político indiano, todos os partidos considerados, nada têm a dizer. Estão ocupados com a eleição do próximo presidente da Índia – ou, então, só pensam nas “reformas”. Quando 19 cidadãos são assassinados pelas forças da ordem em país civilizado, na segunda década do século 21, espera-se alguma comoção no mundo ‘político’. Na Índia, não? O silêncio dos políticos aponta claramente o terrível enfraquecimento da fibra moral.

Ainda mais repreensível é o ensurdecedor silêncio dos partidos da esquerda indiana que, pelo menos em tese, operam ou deveriam operar no mesmo campo ideológico que os maoístas indianos. OK. Os maoístas são rebeldes desiludidos com a esquerda partidarizada e com a democracia burguesa. Nem por isso se tornaram ‘de direita’. A China não os reconhece. OK. É problema da China. Mas... e a esquerda da Índia?
 



Mapa da suposta presença de maoístas activos na Índia (2009)

 
De fato, a presença dos grupos maoístas em partes da Índia onde a esquerda indiana ‘oficial’ sequer existe mostra que eles têm legitimidade e credibilidade conquistada por eles mesmos, em trabalho com as populações locais de um país imenso, que ainda são sensíveis aos ideais igualitários e democratizatórios do comunismo. Liderança mais ilustrada, na esquerda indiana, buscaria o diálogo com aqueles militantes, talvez isolados, talvez desorientados. Bom ponto de partida seria indignar-se ante o assassinato de 19 camaradas, na selva de Chhattisgarh. Que tenham enterro comunista decente

[1] A Índia recuperou a independência (dos ingleses) em 1947 [NTs].




Courtesy of Coletivo de tradutores Vila Vudu
Source: http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2012/06/30/the-maoists-are-also-indians/
Publication date of original article: 30/06/2012
URL of this page: http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=7657

 

Tags: Índia Maoístas NaxalitasTerror estatal Chidambaram ComunismoEsquerda indiana
 

 
Print this page
Print this page
  Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.