TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/12/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 IMAGE AND SOUND 
IMAGE AND SOUND / Debtocracy/Dividocracia, documentário crítico grego sobre a crise
Date of publication at Tlaxcala: 22/01/2012
Original: ΧΡΕΟΚΡΑΤΙΑ/DEBTOCRACY - Eνα ντοκιμαντέρ για την κρίση
Translations available: Español  English  Français  Türkçe  Italiano  Deutsch  فارسی 

Debtocracy/Dividocracia, documentário crítico grego sobre a crise

Katerina Kitidi Κατερίνα Κιτίδη - Aris Chatzistefanou Άρης Χατζηστεφάνου

Edited by  Fausto Giudice Фаусто Джудиче فاوستو جيوديشي

 

Preparado pelos jornalistas Katerina Kitidi e Aris Hatzistefanou, o documentário “Debtocracy”. Rodado com dinheiro próprio e com donativos de alguns amigos. Os principais atores do documentário (cerca de 200 pessoas) assinam um pedido de criação de uma comissão internacional de auditoria, que teria por missão especificar os motivos da acumulação da dívida soberana e condenar os responsáveis. No caso vertente, a Grécia tem direito a recusar o reembolso da sua “dívida injustificada”, ou seja, da dívida criada através de atos de corrupção contra o interesse da sociedade.

“Debtocracy” é uma ação política. Apresenta um ponto de vista sobre a análise dos acontecimentos que arrastaram a Grécia para uma situação preocupante. As opiniões vão todas no mesmo sentido, sem contraponto. Foi essa a opção dos autores, que apresentam a sua maneira de ver as coisas, logo nos primeiros minutos: "Em cerca de 40 anos, dois partidos, três famílias políticas e alguns grandes patrões levaram a Grécia à falência. Deixaram de pagar aos cidadãos para salvar os credores".

Os “cúmplices” da falência perderam o direito à palavra.

Os autores do documentário não dão a palavra àqueles que consideram “cúmplices"”da falência.

Os primeiros-ministros e ministros das Finanças gregos dos últimos dez anos são apresentados como elos de uma cadeia de cúmplices que arrastaram o país para o abismo.

O diretor-geral do FMI, Dominique Strauss-Kahn, que se apresentou aos gregos como o médico do país, é comparado ao ditador Georges Papadopoulos [primeiro-ministro sob o regime dos coronéis, de 1967 a 1974]. O paralelo é estabelecido com uma facilidade notável desde o início do documentário, mas não é dado ao personagem relevante (DSK) o direito a usar da palavra.

À pergunta “Por que não fazer intervir as pessoas apontadas a dedo?”, um dos autores, Kateina Kitidi, responde que se trata de “uma pergunta que deve ser feita a muitos órgãos de comunicação que, nos últimos tempos, difundem permanentemente um único ponto de vista sobre a situação. Nós consideramos que estamos a apresentar uma abordagem diferente, que faz falta há muito tempo”.

O público garante a independência do filme.

Para o seu colega Aris Hatzistefanou, o que conta é a independência do documentário. “Não tínhamos outra hipótese”, explica. “Para evitar as limitações quanto ao conteúdo do filme, que as empresas [de produção], as instituições ou os partidos teriam imposto, apelamos ao público para garantir as despesas de produção. Portanto, o documentário pertence aos nossos “produtores associados”, que fizeram donativos na Internet e é por isso que não há problemas de direitos. De qualquer modo, o nosso objetivo é difundi-lo o mais amplamente possível."

O documentário utiliza os exemplos do Equador e da Argentina para suportar o argumento segundo o qual o relatório de uma comissão de auditoria pode ser utilizado como instrumento de negociação, para eliminar uma parte da dívida e do congelamento dos salários e pensões de reforma.

“Tentamos pegar em exemplos de países como a Argentina e o Equador, que disseram não ao FMI e aos credores estrangeiros que, ainda que parcialmente, puseram de joelhos os cidadãos. Para tal, falamos com as pessoas que realizaram uma auditoria no Equador e provaram que uma grande parte da dívida era ilegal”, acrescenta Katerina Kitidi. Contudo, “Debtocracy” evita sublinhar algumas diferenças de peso e evidentes entre o Equador e a Grécia. Entre elas, o fato de o Equador ter petróleo.

Katerina Kitidi e Aris Hatzistefanou participarão no Fórum Social temático em Porto Alegre desde o dia 24 até o dia 29 de Janeiro.

 

Português europeu

Português brasileiro





Courtesy of www.debtocracy.gr
Source: http://www.debtocracy.gr
Publication date of original article: 01/05/2011
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=6677

 

Tags: DebotcracyDividocraciaDívidaGréciaCrise do capitalismo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.