TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 26/10/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / TUNISIA: E, de repente, a revolução
Date of publication at Tlaxcala: 25/01/2011
Original: TÚNEZ: Y, de pronto, la revolución
Translations available: Français  Türkçe 

TUNISIA: E, de repente, a revolução

Santiago Alba Rico Σαντιάγκο Άλμπα Ρίκο سانتياغو البا ريكو

Translated by  Alexandre Leite

 

Em 1999 dois cães cruzam-se na fronteira. Um, argelino, fraco, desfalecido, coxo e roído pelas pulgas, tenta entrar na Tunísia; o outro, tunisino, lustroso, bem alimentado, limpo, saudável, tenta entrar na Argélia. O tunisino está perplexo: “por que queres entrar no meu país”, pergunta. O argelino responde: “porque quero comer”. E imediatamente acrescenta, ainda mais perplexo que o seu companheiro: “O que não entendo é por que razão queres tu entrar na Argélia”. O tunisino responde então: “porque quero... ladrar”.

Em 1999, quando se contava esta anedota nos meios intelectuais, a Tunísia estava amordaçada, mas por seu lado desfrutava – dizia-se repetidamente – de uma situação económica incomparavelmente melhor que o resto do mundo árabe. Com um crescimento médio de 5% durante a década passada, o FMI mostrava o país como um exemplo das vantagens de uma economia livre das barreiras proteccionistas e no ano 2007 o Fórum Económico Mundial para África declarava a Tunísia como o país “mais competitivo” do continente, acima da Arica do Sul. “Kulu shai behi”, tudo vai bem, repetia a propaganda do regime em cartazes publicitários, editoriais da imprensa e debates coreográficos na televisão. Enquanto o governo vendia 204 empresas do robusto sector público criado por Habib Bourguiba, o ditador ilustre e socialista, multiplicava-se o número de veículos 4x4 nas ruas, construíam-se na capital bairros inteiros para os negócios e le loisir e até 7 milhões de turistas acudiam todos os anos a desfrutar da cada vez mais sofisticada e sólida infraestrutura hoteleira do país. Em 2001, quando se abriu o primeiro Carrefour, símbolo e anúncio da entrada na civilização, alguns podiam ter a ilusão de que Túnis era já uma província de França. Era um país maravilhoso: a luz mais limpa e formosa do mundo, as melhores praias, o deserto mais hollywoodesco, as pessoas mais simpáticas. Não se podia falar nem escrever, é verdade, mas em troca as pessoas engordavam e o islamismo recuava. A UE e os Estados Unidos, mas também as agências de viagens e os meios de comunicação contribuíam para alimentar a imagem de um país mais europeu que árabe, mais ocidental que muçulmano, mais rico que pobre, em transição para a felicidade do mercado capitalista. Nem se podia falar nem escrever, é verdade, e também é verdade que ocupava o segundo lugar na classificação mundial da censura informática, mas o esforço do governo merecia uma recompensa: Túnis organizou uma Taça de África, um Mundial de Andebol e em 2005 uma insólita Cimeira da Informação, durante a qual se ocultou ao mundo uma greve de fome de juízes e advogados e se detiveram jornalistas e bloguistas.
 
Por pouco que alguém se tivesse molestado em riscar por baixo dessa superfície bem envernizada, teria descoberto uma realidade bem distinta. Ninguém ou quase ninguém o fez. De Janeiro a Junho desse ano 2005, por exemplo, o jornal espanhol El País publicou 618 notícias relacionadas com Cuba, onde não se passava nada, e 199 sobre Túnis, todas sobre o turismo ou sobre o mundial de andebol; o jornal El Mundo, nesse mesmo período, registou 5162 entradas sobre Cuba, país onde não se passava nada, e só 658 sobre Túnis, quase todas sobre o mundial de andebol; e o jornal ABC virou o olhar 400 vezes para Cuba, país onde não se passava nada, enquanto que só mencionou a Tunísia 99 vezes, 55 das quais relativamente ao mundial de andebol. A 10 de Março desse mesmo ano uma rápida busca no Google dava 750 ligações sobre a distribuição em Cuba das famosas panelas de pressão e apenas três (duas da Amnistia Internacional) sobre a greve de fome e a tortura de presos em Túnis.
 
Mas o certo é que o Carrefour e os humvee – e a vida nocturna em Gammarth – ocultavam não só a normal repressão exercida por Ben Ali desde 1987, ano do golpe palaciano ou da Grande Mudança, mas também o desaparecimento de uma classe média que se tinha começado a formar nos anos 60 e que tinha sobrevivido à crise do final dos anos 80. Uns poucos entravam no Carrefour e outros muitos saíam do país: cerca de um milhão de jovens tunisinos – numa população de 10 milhões – vivem fora, sobretudo em França, Itália e Alemanha. Ao mesmo tempo que uma minoria deixava o francês pelo inglês e desprezava, obviamente, o dialecto tunisino, a estrutura educativa herdada do regime anterior, relativamente solvente, degradava-se de tal modo que o último relatório PISA relegava Túnis a um dos últimos dez lugares da lista da OCDE. Ao mesmo tempo que vinte famílias desfrutavam do ócio nos Alpes ou em Paris, o desemprego aumentava até chegar a 18%, com 36% entre os mais jovens: entre os diplomados e licenciados passava de uns 0,7% em 1984 para uns 4% em 1997, disparando até 20% em 2010. No espelho do Carrefour, no meio da publicidade atmosférica que convidava ao consumo inacessível, os jovens dos banlieu da capital e das regiões do centro e sul do país pareciam conformar-se com a possibilidade de desfrutar desse reflexo.
 
Quem beneficiava deste crescimento elogiado pelo FMI e pelas instituições europeias? Basicamente uma só família, extensa e tentacular, a qual os despachos da embaixada estadounidense divulgados pelo wikileaks descrevem como um “clã mafioso”. Trata-se da família de Leyla Trabelsi, a segunda esposa do ditador, a tal ponto dona do país que muitos se referiam à Tunísia (la Tunisie) como La Trabelsie. Ben Alí e a sua família política tinham-se apoderado, mediante privatizações opacas, de toda a actividade económica da nação, convertendo o Estado num instrumento de um capitalismo mafioso e primitivo ou, melhor, de um feudalismo parasitário do capitalismo internacional. A lista de sectores saqueados pelo clã é incrível: a banca, a indústria, a distribuição de automóveis, os meios de comunicação, comunicações móveis, os transportes, as companhias aéreas, a construção, as cadeias de supermercados, o ensino privado, a pesca, as bebidas alcoólicas e até o mercado de roupa usada. Não pode causar estranheza que, durante as revoltas destes dias, se tenham assaltado tantos comércios, empresas e bancos; falou-se de “vandalismo”, mas tratava-se também de um vandalismo certeiro ou, em qualquer caso, de um vandalismo que, inclusivamente quando era feito ao acaso, inevitavelmente acertava: golpeasse onde golpeasse, golpeava sem dúvida uma propriedade dos Trabelsi.
 
Neste quadro de repressão e apropriação, era necessário ter ouvido o ruído da maré a subir. Poucos o fizeram, nem sequer quando em Janeiro de 2008, em Redeyef, perto de Gafsa, nas minas de fosfatos, outro incidente menor – um protesto por um acto de nepotismo – pôs em pé de guerra toda a população. Durante meses prolongaram-se as greves, houve quatro mortos, duzentos detidos, julgamentos sumaríssimos com penas arrepiantes. Enquanto Redeyef permaneceu sitiada pela polícia, só jornalistas e sindicalistas tunisinos romperam o bloqueio policial e informativo. Na Europa, a Trabelsia continuava a ser bela, tranquila, segura para os negócios e para a geopolítica. Apenas um jornalista italiano, Gabriele del Grande, se atreveu a entrar clandestinamente no coração dos protestos e obter informação antes de ser detido pela polícia e expulso do país. A sua reportagem começa assim: “Sindicalistas detidos e torturados. Manifestantes assassinados pela polícia. Jornalistas encarcerados e uma potente máquina de censura para evitar que o protesto se estenda. Não é uma aula de história sobre o fascismo, mas sim a crónica dos últimos dez meses em Túnis. Uma crónica que não deixa lugar a dúvidas sobre a natureza do regime de Zayn al Abidin Ben Ali, no governo desde 1987. Uma crónica que revela o lado obscuro de um país que recebe milhões de turistas todos os anos e do qual escapam milhares de emigrantes também todos os anos”. Num livro posterior, Il mare di mezzo, del Grande descreve em detalhe a maquinaria do terror tunisino, com as prisões secretas nas quais desapareciam não só os opositores nacionais mas também os emigrantes argelinos, sequestrados no mar pelas patrulhas locais – polícias da Europa – para serem depois atirados para o abismo. Ninguém disse nada. Era muito mais importante sustentar o ditador; Ben Ali e as potências ocidentais partilhavam não só interesses económicos e políticos como também o mesmo desprezo radical pelo povo tunisino e pelo seu sofrimento.
 
Mas no dia 17 de Dezembro um clarão iluminou rapidamente o monstro e mostrou, como explica o sociólogo Sadri Khiari, que “não há servidão voluntária mas sim a espera paciente do momento da eclosão”. O gesto de desespero de Mohamed Bouazizi, jovem informático reduzido a vendedor ambulante, pôs em marcha um povo do qual ninguém esperava nada, que os outros árabes desprezavam e que a Europa considerava dócil, cobarde e adormecido pelo futebol e pelo Carrefour. Um ciclo lunar depois, a 14 de Janeiro passado, depois de cem mortos e dezenas de metástases rebeldes em todo o território, a onda rebentou no centro de Túnis e alcançou o seu objectivo. Já não se tratava nem de pão nem de trabalho nem de youtube: “Ben Ali assassino”, “Ben Alí fora”. A última carga policial, desmentindo as promessas que tinha feito no dia anterior o ditador, provocou ainda numerosos mortos e feridos. Mas era muito bonito, muito bonito ver esses jovens, dos quais um mês antes ninguém esperava nada, voltarem para a rua e chamarem as pessoas que fugiam para as animar a regressar à batalha com as estrofes vibrantes do hino nacional: “namutu namutu wa yahi el-watan” (morreremos morreremos para que viva a pátria). No final da tarde, apoiado até ao final pela França, o ditador fugia para a Arábia Saudita, deixando para trás milícias armadas com instruções para semearem o caos.

O perigo não passou, a luta continua. Mas agora há um povo trava as batalhas. “O 14 de Janeiro é o nosso 14 de Julho”, repetem os tunisinos. Talvez o de todo o mundo árabe. Jamais o povo tinha derrubado um ditador; e este povo inesperado, intruso na lógica das revoluções, esta Túnis de jasmins e luz de mel, agora de dignidade e combate, é o espelho no qual se olham os vizinhos, de Marrocos ao Iémen, da Argélia ao Egipto, irmãos de frustração, infelicidade e ira. Não é preciso encontrar as causas, elas são sempre dadas, mas sim o minuto. E esse minuto é agora.





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.rebelion.org/noticia.php?id=120525
Publication date of original article: 17/01/2011
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=3478

 

Tags: TunisiaUmmarevoluçãoHabib BourguibaBen Ali
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.