TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/01/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / Estupro de mulheres negras e indígenas deixou marca no genoma d@s brasileir@s
Date of publication at Tlaxcala: 10/01/2021
Translations available: Français  English  Español  Deutsch  Italiano 

Estupro de mulheres negras e indígenas deixou marca no genoma d@s brasileir@s

Maria Clara Rossini

 

Primeiros resultados do projeto de sequenciamento genético mais abrangente já realizado no Brasil mostram que genes herdados exclusivamente por via materna em geral são de negras e indígenas, e que genes transmitidos pelos pais são quase todos de colonizadores europeus.

O projeto DNA do Brasil tem como meta analisar o genoma de 40 mil brasileiros. Trata-se da maior pesquisa do tipo já realizada no País, e ela resultará na base de dados genéticos mais abrangente disponível sobre a nossa população. A iniciativa foi anunciada há nove meses, em dezembro de 2019, e já está entregando seus primeiros resultados. 

Os pesquisadores já completaram o sequenciamento do genoma de 1.247 brasileiros. Os voluntários são de todas as partes do país, o que inclui desde comunidades ribeirinhas na Amazônia até moradores da cidade de São Paulo. Um dos objetivos da pesquisa é médico: os dados genéticos permitem identificar grupos mais suscetíveis a certas doeças, o que possibilita direcaionar recursos e esforços do SUS com inteligência.

O mapeamento genético também também fornece dados sobre ascendência dos voluntários. Só nesses 1.247 genomas preliminares já foi possível observar variantes genéticas provenientes de 54 populações ao redor do mundo. Os resultados mostram que sim, o Brasil é extramemente miscigenado – mas que essa miscigenação não ocorreu de forma equilibrada. 

Mulher indígena sendo marcada. Pintura de Miguel Covarrubias

Herança desigual

Metade dos nossos genes são herdados da mãe, enquanto a outra metade é do pai. Em geral, não é possível identificar quais genes vieram de cada um deles. Mas há exceções.

 O cromossomo Y é uma delas. As mulheres possuem cromossomos sexuais XX, e os homens, XY. Isso significa que a mãe sempre vai transferir o cromossomo X para o feto. E aí os espermatozoides do pai ficam responsáveis por “decidir” o sexo do bebê, mandando o cromossomo X ou Y. 

Isso significa que todo cromossomo Y encontrado na população vem sempre do pai, permitindo traçar a linhagem dos homens do país. O mesmo vale para o DNA mitocondrial em relação às mulheres. É sempre a mãe que passa a mitocôndria ao filho – mitocôndrias são usinas de energia das células que tem seu próprio material genético –, então todo DNA das mitocôndrias de uma população foi necessariamente herdado das mulheres.

Agora, aos resultados: 75% dos cromossomos Y na população são herança de homens europeus. 14,5% são de africanos, e apenas 0,5% são de indígenas. Os outros 10% são metade do leste e do sul asiáticos, e metade de outros locais da Ásia.

Com o DNA mitocondrial foi o contrário: 36% desses genes são herança de mulheres africanas, e 34% de indígenas. Só 14% vêm de mulheres europeias, e 16% de mulheres asiáticas. 

Somando as porcentagens femininas, temos que 70% das mães que deram origem à população brasileira são africanas e indígenas – mas 75% dos pais são europeus. A razão remonta aos anos da colonização portuguesa no Brasil. O estupro de mulheres negras e indígenas escravizadas era o padrão.

A exploração violenta e extermínio em massa também fizeram com que os homens indígenas quase não deixassem descendentes – eles representam apenas 0,5% do genoma na população, enquanto as mulheres nativas somam 34%. “O que acontecia era matar ou subjugar os homens e estuprar as mulheres”, diz Tábita Hünemeier do Instituto de Biociências (IB) da USP, que estuda genética de populações e é uma das coordenadoras do projeto.

Números como esses não são novidade para a genética. “Esse é o padrão latino-americano”, fala Hünemeier. O mesmo acontece na população de países como Colômbia e Cuba, que também tiveram colonização ibérica. Outros estudos genéticos realizados no Brasil, que analisam apenas o cromossomo Y e DNA mitocondrial, vêm mostrando essa mesma tendência desde os anos 2000.

Além de escancarar atrocidades históricas, o genoma dos primeiros voluntários do projeto também revelou quatro milhões de variantes genéticas novas, que não estão registradas em outros bancos internacionais de genomas. Outro mapeamento genômico recente, feito apenas com idosos brasileiros, mostrou mais duas milhões de variantes inéditas.

Leia também
A cultura do estupro não só existe como está em nosso DNA enquanto nação, por Cynara Menezes, 20 de novembro de 2016

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_24014.jpg

“Três jovens homens brancos e uma mulher negra”, também chamado “A violação da negra”, pintura do holandês Christiaen van Couwenbergh, 1632. Museu de Belas Artes de Estrasburgo





Courtesy of Superinteressante
Source: https://super.abril.com.br/ciencia/estupro-de-mulheres-negras-e-indigenas-deixou-marca-no-genoma-dos-brasileiros/
Publication date of original article: 03/10/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=30482

 

Tags: DNA do BrasilGenomaEstupro colonialHerança genêtica da colonizaçãoBrasilAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.