TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 16/01/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / Ásia Ocidental, Central e do Sul: a interconexão avança
Date of publication at Tlaxcala: 03/01/2021
Original: Nothing sentimental about these train journeys
How West, Central and South Asia are interconnecting

Translations available: Français 

Ásia Ocidental, Central e do Sul: a interconexão avança

Pepe Escobar Пепе Эскобар پپه اِسکوبار

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

É uma daquelas viagens quintessenciais que faz o povo sonhar: Istanbul-Teerã-Islamabad, por trem. Chamemos de “Trem ITI”.

ITI será realidade em breve, no início de 2021. Mas, inicialmente, apenas como trem de carga. O acordo foi firmado recentemente, na 10a reunião dos ministros de Transporte e Comunicação da Organização de Cooperação Econômica, OCE [ing. ECO, Economic Cooperation Organization] em Istanbul.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23927.jpg

O nome oficial da rota ITI é, na verdade, Trem de Contêineres da OCE [ing. ECO Container Train]. As viagens-teste começaram em 2019. A viagem por terra de 6.500 km agora dura 11 dias – comparados aos cerca de 45 dias, por rotas marítimas entre Europa Ocidental e Paquistão.

A OCE é organização muito interessante – e estratégica –, virtualmente desconhecida fora da Ásia, que une Turquia, Irã, Paquistão, os cinco “-stões” da Ásia Central, Azerbaijão e Afeganistão.

Alguns desses atores também são membros da Organização de Cooperação de Xangai (OCX); alguns são parte da União Econômica Eurasiana (UEE); e quase todos são parceiros da Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE).

Ofereceram uma Visão OCE 2025 que enfatiza a conectividade como trampolim para o “desenvolvimento social e econômico”, privilegiando comércio, transporte, energia e turismo. A OCE visa a integrar de facto Ocidente, Ásia Central e Sul da Ásia plus o Cáucaso. Para todas as finalidades práticas, OCE inclui a maioria das Novas Rotas da Seda em desenvolvimento em grande parte da Eurásia.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23928.jpg

E reaparece o tal insuportável sultão

O Trem de Contêineres ITI/OCE será mais um estrato de conectividade que corre paralelo à ferrovia Baku-Tbilisi-Kars (BTK), centrada no Cáucaso, e como vimos na coluna “Turquia/Novo Grande Jogo”, degrau chave da estratégia comercial de Ancara.

Em breve, ITI/OCE também se ligará às redes ferroviárias europeias via o túnel ferroviário submarino Marmaray, em Istanbul – aquela maravilha de engenharia de 76 km de extensão. Claro que abundam também oportunidades para ramificação rumo a partes do Oriente Médio. Até o final da década, ITI/OCE pode bem se tornar ferrovia para trens de alta velocidade – pensem em investimentos chineses.

Contraponto fascinante para o túnel submarino Marmaray é a Rota de Transporte Internacional Trans-Cáspio: uma conexão real entre a ferrovia BTK no Cáucaso e a Ásia Central.

Como se vê aqui, o layout estratégico dos portos permite entrada e saída instantânea dos trens de carga para grandes cargueiros.

O Irã, por exemplo, está construindo porto de embarque rolante em Bandar-e Anzalī no Mar Cáspio – que será usado para exportar mercadorias, mas também óleo e gás que transitam via Rússia ou Cazaquistão, ambas nações do Cáspio, e assim contornam qualquer novos bloqueios impostos pelos EUA.

A interconexão ITI/OCE com BTK firmará mais um importante outro corredor comercial Leste-Oeste. À parte os corredores do norte que se ligam à Transiberiana, todos os corredores comerciais Leste-Oeste que cruzam a Eurásia pela Turquia. Isso oferece ao presidente Erdogan uma riqueza de opções – como Pequim sabe muito bem. O corredor Xian-Istanbul é tão importante quanto o corredor Xian-Cazaquistão-Rússia.

Nossa coluna anterior sobre Turquia/Novo Grande Jogo provocou sério debate em Istanbul. A analista política Ceyda Karan observou que Erdogan “só tem uma carta: a geopolítica turca. Não importa a ele quantos soldados morram na Líbia ou na Síria. O povo turco absolutamente não o preocupa”.

O estimado professor Korkut Boratav, autoridade já nonagenário no campo da macroeconomia, surpreende-se que eu tenha “atribuído tantos papéis importantes ao nosso chefe”, referindo-se a Erdogan.

Bem, se trata sempre do jogo geoeconômico. Erdogan com certeza passou o rolo compressor sobre a Eurásia, em termos de política externa, sem qualquer limite na manipulação de todos os tipos de gangues de cúmplices que praticam todas as modalidades de extremismos. Mas O Sultão precisa realmente, isso sim, de comércio e investimento estrangeiro naquela sua debilitada economia.

Assim sendo, a conectividade comercial é essencial. Mas o problema é sempre a própria estratégia de Erdogan. Não se pode dizer que apoiar, alimentar e armar um exército de jihadis e seguidores do ISIS/Daech, Jabhat al-Nusra e Uighure/Caucasianos seja precisamente estratégia negocial confiável.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23930.jpg

wan, França


Erdogan parece estar em todos os locais – Líbia, Azerbaijão, a fronteira entre Síria e noroeste da Turquia. Estrategistas em Pequim, Moscou, Teerã e Islamabad, claro, fazem perguntas: para quê, exatamente?

Não há cenário geoeconômico realista para que Erdogan contorne e evite a Rússia. Pode usar o Azerbaijão como espécie de mensageiro de luxo entre Turquia e Israel – e talvez, subsequentemente, extrair lucros da corte que Israel faz às monarquias do Golfo Persa. Afinal, no que tenha a ver com aliados no mundo árabe, o único ator com o qual Erdogan pode realmente contar é o Qatar. Siga o dinheiro: Doha não financiará boom econômico na Turquia.  

Que floresçam um milhão de corredores comerciais

Tolos boatos sobre o fim do Corredor Econômico China-Paquistão (CECP) são muito exagerados – considerando que são subseção da propaganda norte-americana. CECP é projeto complexo, de muito longo prazo, cuja implementação, pelo cronograma chinês, ainda nem começou.

O que Islamabad tem de saber é o quanto Teerã é comparativamente muito mais sexy, observada pelos olhos de Pequim. O Paquistão depende sobretudo dos esforços de Imran Khan. O Irã é rico em petróleo, gás e vários minérios crucialmente importantes. Dado que a Índia outra vez deu-se um tiro pelas costas – quando abdicou de facto de investir no porto Chabahar no Irã, a China subiu ao palco. O acordo China-Irã, de $400 bilhões, é muito mais abrangente que o CECP, de apenas $64 bilhões.

De volta à estrada, a boa notícia é que Irã-Paquistão parecem focados em ampliar a conectividade. Difícil de entender que até recentemente só houvesse um posto de passagem ao longo de 900 km de fronteira. Agora, finalmente, decidiram abrir mais dois postos.

É decisão extraordinariamente importante, porque o primeiro posto de passagem está na ultrassensível província Sistão-Baloquistão – sempre muito suscetível a jihadistas salafistas infiltrados – e localizado a apenas 70 km do estratégico porto de Gwadar.

No que tenha a ver com turismo – o que chineses descrevem como “troca povo a povo” –, trata-se de uma dimensão extra, porque os paquistaneses podem agora cruzar facilmente a fronteira, alcançar Chabahar, e dali, por trem, chegar a Najaf e Karbala, sítios sagrados do Irã.

Por fim, há o muito importante fator russo – que sempre exige integral atenção de Erdogan.

Pode-se dizer que a prioridade estratégica de Moscou é ‘blindar’ a União Europeia contra os impulsos de algum Dr. Fantástico imposto por EUA/OTAN. Assim, uma aliança comercial com Pequim – agora em progresso, via seu tratado de investimento – é necessariamente aliança de tipo ganha-ganha, que mostra integração europeia mais íntima com o século eurasiano, puxada pela China, mas com a Rússia posicionada – como fator crucial – como principal provedor de segurança.

E, como o presidente Putin deixou mais uma vez bem claro em seus votos de fim de ano, a Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE) e a União Econômica Eurasiana (ing. EAEU) vão-se fundindo cada vez mais.

Poucos leitores terão notado que a Rússia alcançou agora a capacidade tripartite que Kissinger, certa vez, declarou essencial para a liderança estratégica dos EUA: domínio das exportações de armas; controle sobre os fluxos de energia; e exportações agrícolas. Para nem falar da finesse diplomática – muito prestigiada em toda a Eurásia e no Sul Global.

Enquanto isso, a Eurásia segue o fluxo: que floresçam um milhão de corredores comerciais – Transiberiana, BTK, ITI/OCE.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://asiatimes.com/2020/12/nothing-sentimental-about-these-train-journeys/
Publication date of original article: 31/12/2021
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=30426

 

Tags:  Corredores comerciais asiáticosGeoeconomiaInterconexões eurasiáticas
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.