TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 16/01/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Turquia move-se para o centro do Novo Grande Jogo
Date of publication at Tlaxcala: 31/12/2020
Original: Turkey pivots to the center of a New Great Game
Translations available: Deutsch  Français 

Turquia move-se para o centro do Novo Grande Jogo

Pepe Escobar Пепе Эскобар پپه اِسکوبار

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Quando se trata de semear a cizânia – com lucros! – a Turquia de Erdogan é praticamente uma superstar.

Sob o delicioso rótulo de “Lei das Sanções de Combate Contra os Adversários dos EUA” [ing. Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act, CAATSA], o governo Trump aplicou a Ancara as esperadas sanções, por se ter atrevido a comprar sistemas russos S-400 de mísseis de defesa terra-ar. As sanções visaram a agência de defesa da Turquia, SSB.

A reação do ministro turco das Relações Exteriores Mevlut Cavusoglu foi rápida: Ancara não recuará – e está de fato decidindo como responder.

Os poodles europeus ficaram obrigados a garantir os passos seguintes. Então, depois do proverbial interminável debate em Bruxelas, decidiram-se por sanções “limitadas” – acrescentando nova lista para reunião de março de 2021. Mas essas sanções focam-se na verdade em indivíduos ainda não identificados envolvidos em extração de petróleo offshore em Chipre e na Grécia. Nada têm a ver com os sistemas S-400s.

O que a União Europeia (UE) trouxe à cena é de fato um regime muito ambicioso de sanções globais por ‘direitos humanos’, modelado a partir da Lei Magnitsky, dos EUA. Implica proibir viagens e congelar ativos de pessoas unilateralmente ‘declaradas’ culpadas de genocídio, tortura, assassinatos extrajudiciais e crimes contra a humanidade.

A Turquia nesse caso é a cobaia. A UE sempre hesita, sobretudo quando se trata de sancionar estado-membro da OTAN. Quando o que os eurocratas em Bruxelas realmente querem é ferramenta extra e poderosa para fustigar principalmente China e Rússia.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23919.jpg

Erdogan devorando a Turquia, com pedidos de desculpas a Goya. Charge de Antonio Rodríguez, México

Nossos jihadis, epa, não, nossos “rebeldes moderados”

O fascinante é que a Ancara de Erdogan sempre parece exibir atitude de quem dá de ombros (“e quem liga?”).

Considere-se a situação aparentemente insolúvel no caldeirão de Idlib, noroeste da Síria. Os chefões da Jabhat [Frente] al-Nusra – também conhecida como al-Qaeda na Síria – estão agora envolvidos em negociações “secretas” com gangues armadas apoiadas pela Turquia, como Ahrar al-Sharqiya, bem à vista de funcionários turcos. O objetivo: aumentar o número de jihadis concentradas em áreas chaves. Em conclusão: grande número desses jihadis virão da Jabhat al-Nusra.  

Assim, para todas as finalidades práticas, Ancara mantém-se no apoio à jihadis de linha-duríssima no noroeste da Síria, apoio mascarado sob a “inocente” griffe Hayat Tahrir al-Sham. Ancara absolutamente não tem qualquer interesse em deixar que esse pessoal desapareça. Moscou, claro, está plenamente consciente dessas manobras e ‘arranjos’, mas os argutos estrategistas do Kremlin e do Ministério da Defesa preferem deixar a coisa andar, por hora, pressupondo que o processo de Astana – no qual se reúnem Rússia, Irã e Turquia – possa ainda dar algum fruto.

Erdogan, ao mesmo tempo, administra com talento a impressão de que esteja totalmente comprometido em caminhar na direção de Moscou. Repete efusivamente que seu “colega russo, Vladimir Putin” apoia a ideia – trazida à mesa pelo Azerbaijão – de uma plataforma de segurança regional que una Rússia, Turquia, Irã, Azerbaijão, Geórgia e Armênia. Erdogan disse até que, se Yerevan é parte desse mecanismo, “pode-se abrir nova página” nas relações Turquia-Armênia, até aqui inabordáveis.

Ajudará, claro, que, mesmo sob a destacada presença de Putin, Erdogan terá assento importante à mesa dessa organização de pressuposta segurança. 

O Grande Quadro é ainda mais fascinante – porque expõe vários aspectos da estratégia de Putin para equilibrar a Eurásia, que envolve, como principais players, Rússia, China, Irã, Turquia e Paquistão.

Às vésperas do primeiro aniversário do assassinato do general Soleimani, Teerã absolutamente não está nem intimidada nem “isolada”. Para todas as finalidades práticas, o Irã está lenta mas firmemente forçando os EUA a sair do Iraque. Os laços diplomáticos e militares do Irã com Iraque, Síria e Líbano permanecem sólidos. 

E com menos soldados dos EUA no Afeganistão, fato é que o Irã, pela primeira vez desde a era do “eixo do mal” está menos cercado pelo Pentágono. Ambas Rússia e China – nodos chaves da integração da Eurásia – aprovam integralmente. 

Claro que o rial iraniano colapsou contra o EUA-dólar, e a renda do petróleo caiu de mais de $100 bilhões/ano, para algo como $7 bilhões. Mas exportações não-petróleo estão bem acima dos $30 bilhões/ano.

Tudo tem a ver com mudar para melhor. O Irã está construindo um oleoduto ultra estratégico, da parte oriental do Golfo Persa até o porto de Jask no Golfo de Omã – contornando o Estreito de Ormuz, e pronto para exportar 1 milhão/dia de barris de petróleo. O principal comprador será a China.

O presidente Rouhani disse que o oleoduto estará pronto no verão de 2021; acrescentou que o Irã planeja para o próximo ano estar vendendo acima de 2,3 milhões de barris/dia de petróleo – e não faz diferença que Biden-Harris aliviem as sanções ou não.

OTAN e Erdogan, por  Zemgus Zaharans, Letônia

Atenção ao Anel Dourado

Irã está bem conectado à Turquia a oeste e à Ásia Central a leste. Outro elemento importante no tabuleiro de xadrez é a entrada de trens de carga que ligam diretamente a Turquia à China via Ásia Central – contornando a Rússia.

No início desse mês de dezembro, o primeiro trem de carga deixou Istanbul para viagem de 8.693 km, 12 dias, cruzando por baixo do Bósforo via o novo túnel Marmary, inaugurado há um ano, depois pelo Corredor do Meio, Oriente-Ocidente, via a ferrovia Baku-Tbilisi-Kars (BTK), cruzando Geórgia, Azerbaijão e Cazaquistão.

Na Turquia, chama-se de “Ferrovia da Seda”. A ferrovia BTK reduziu, de um mês para apenas 12 dias, o frete de transporte da Turquia à China. A única rota do Leste da Ásia até a Europa Ocidental pode agora ser percorrida em apenas 18 dias. BTK é o nodo chave do chamado Corredor do Meio, de Pequim a Londres; e da Rota da Seda de Ferro, do Cazaquistão até a Turquia.

Tudo que aí se lê encaixa-se perfeitamente na agenda da União Europeia – especialmente na agenda da Alemanha: implementar um corredor comercial estratégico que una União Europeia à China, contornando a Rússia.  

Eventualmente, esse movimento pode levar à consolidação de uma das alianças chaves que se formarão nos “Loucos (anos) 20s”: Berlim-Pequim.

Para acelerar essa presumível aliança, a conversa em Bruxelas é que os eurocratas se beneficiarão do nacionalismo turcomeno, do pan-turquismo e da recente entente cordiale entre Erdogan e Xi, no que tenha a ver com os uigures. Mas há um problema: muitas tribos turcófonas preferem fazer aliança com a Rússia.

Mais que isso, a Rússia é ‘incontornável’ no que tenha a ver com os outros corredores. Considere-se, por exemplo, um fluxo de mercadorias a caminho de Vladivostok, depois pela Trans-Siberiana até Moscou e dali para a União Europeia.

Não se pode dizer que a estratégia da EU, de ‘contornar’ a Rússia, tenha sido um sucesso na Armênia-Azerbaijão: o que houve ali foi recuo relativo da Turquia e vitória de fato da Rússia, com Moscou reforçando sua posição militar no Cáucaso.

E entra em cena gambito ainda mais interessante: a parceira estratégica Azerbaijão-Paquistão, agora operante em tempo integral para comércio, defesa, energia, ciência & tecnologia e agricultura. Vale lembrar que Islamabad apoiou Baku em Nagorno-Carabaque.

Ambos, Azerbaijão e Paquistão, têm relações muito boas com a Turquia: questão do complexo entrelaçamento da herança cultural turco-persa.

E podem aproximar-se ainda mais, com o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul [ing. International North-South Transportation Corridor (INTSC)], que cada vez mais aprofunda a conexão, não só de Islamabad com Baku, mas também de ambas com Moscou.

Assim, a dimensão extra do novo mecanismo de segurança proposto por Baku, unindo Rússia, Turquia, Irã, Azerbaijão, Geórgia e Armênia: todos os “Grandes Quatro” aí desejam ter laços mais próximos com o Paquistão.

O analista Andrew Korybko denominou-a “Anel Dourado” – uma nova dimensão da integração centro-eurasiana em que se veem Rússia, China, Irã, Paquistão, Turquia, Azerbaijão e os “-stões” centro-asiáticos. Vai portanto muito além de uma possível Tríplice Entente: Berlim-Ancara-Pequim.

O que se vê, no pé em que estão as coisas, é que o importante relacionamento Berlim-Moscou continuará gelado. O analista norueguês Glenn Diesen resumiu: “A parceria russo-alemã para uma Europa Expandida foi substituída pela parceria Rússia-China para uma Eurásia Expandida”.

Tampouco resta dúvida de que Erdogan, mestre nos giros de corpo, encontrará vias para extrair proveito, simultaneamente, da Alemanha e da Rússia.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_13945.jpg

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://asiatimes.com/2020/12/turkey-pivots-to-the-center-of-a-new-great-game/
Publication date of original article: 24/12/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=30407

 

Tags: ErdoganTurquiaGeoestratégiaNovo Grande Jogo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.