TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 16/01/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 USA & CANADA 
USA & CANADA / Jim “Cachorro louco” Mattis contra “EUA em primeiro lugar”
Date of publication at Tlaxcala: 06/12/2020
Original: Jim Mattis leads charge to end Trump’s ‘America First’ folly

Jim “Cachorro louco” Mattis contra “EUA em primeiro lugar”

Dave Makichuk

 

A hora dos calouros na Casa Branca, melhor dizendo, a hora do programa de piadas, parece estar mesmo acabando.



Ex-secretário da Defesa dos EUA, Jim Mattis: “Os que defendem a abordagem do atual governo parecem crer que outros países venham a ser obrigados a ceder aos desejos dos EUA e cooperar nos termos dos EUA. É loucura.”Desenho de John Cuneo, The New York Review

A estratégia simplista de defesa cerebrada pelo presidente Donald Trump e conhecida como “EUA em primeiro lugar” pode ser riscada do mapa, bem como os respectivos surtos Twitterísticos.

Mas a decisão caberá ao presidente eleito Joe Biden — e o que não falta é clamor por mudança, até de ex-auxiliares de Trump.

Essa semana, o ex-secretário da Defesa Jim “Cachorro Louco” Mattis quebrou o silêncio sobre eleições, com uma conclamação pública para que o país dê um ‘cavalo de pau’, digamos assim.

Com três coautores, Mattis publicou artigo em Foreign Affairs na 2ª-feira, alertando para os riscos de uma saída abrupta do Afeganistão, e exigindo o fim do projeto de “EUA em primeiro lugar” (America First) como núcleo da estratégia de defesa, noticiou Military.com.

“Descartar o envolvimento dos EUA hoje no Afeganistão, no Iraque e em outros pontos, como “guerras infindáveis” ou “guerras eternas” – como fazem ambos, o presidente Donald Trump e o presidente eleito Joe Biden —, em vez de declará-lo movimento de apoio ativo a governos amigos, para que consigam ter controle sobre os próprios territórios, é erro grave” – escrevem Mattis e seus coautores.

“É do interesse dos EUA construir a capacidade, nesses governos, para que enfrentem as ameaças que afetam norte-americanos.”

Como secretário da Defesa de Trump, Mattis foi o principal arquiteto da Estratégia de Defesa Nacional [ing. National Defense Strategy], que ordenava que os militares se preparassem para possível conflito com Rússia e China (Military.com).

Mas Mattis e os outros dois, agora, exigem que Biden e sua nova equipe de segurança nacional, revisem e reescrevam aquele documento, e suavizem o tom confrontacional, que afastou até os mais fiéis aliados.

“Em janeiro, quando o presidente Joe Biden e sua equipe de segurança nacional começaram a reavaliar a política exterior dos EUA, esperamos que revisassem rapidamente a estratégia de segurança nacional para eliminar daqueles conteúdos tudo que tivesse a ver com ‘America first’, restaurando, em lugar disso, o compromisso com segurança cooperativa que tanto ajudou os EUA, por décadas” – escrevem os autores.

O artigo é assinado por Mattis, por Kori Schake, diretora de Estudos de Política Exterior e de Defesa no American Enterprise Institute; pelo almirante aposentado Jim Ellis, ex-comandante do Comando Estratégico dos EUA; e por Joe Felter, graduado na Academia Militar de West Point e veterano das Forças Especiais do Afeganistão, que hoje trabalha como associado na Hoover Institution (Military.com).

Dia 9 de novembro, Trump demitiu o secretário da Defesa Mark Esper, pouco depois de Esper ter falado da necessidade de cooperação mais próxima com aliados.

O secretário interino que substituiu Esper, Christopher C. Miller, anunciou planos para, até 15 de janeiro, reduzir o número de soldados norte-americanos no Afeganistão para 2.500, e também para 2.500 os soldados estacionados no Iraque.

Para os quatro autores da coluna publicada em Foreign Affairs essa decisão deve ser re-examinada.

“Reforçar a segurança nacional deve partir da verdade fundamental segundo a qual os EUA não pode autoproteger-se, nem proteger os próprios interesses, sem o auxílio de outros” – escrevem Mattis e seus coautores.

Mattis, general da Marinha e ex-comandante do Comando Central dos EUA, renunciou ao posto de secretário da Defesa em dezembro de 2018, embora Trump, depois, tenha dito que o demitira (Military.com).

A causa imediata da renúncia de Mattis foi o anúncio surpresa, feito por Trump, de que todos os soldados dos EUA deveriam ser evacuados da Síria.

Na carta de renúncia, Mattis escreveu: “Minhas ideias sobre tratar aliados com respeito e sobre nunca perder de vista nem os atores mal-intencionados nem os concorrentes estratégicos continuam intactas. Porque o senhor tem o direito de ter secretário da Defesa cujas ideias melhor se alinhem com as suas sobre esses e outros temas, creio que seja direito meu renunciar ao meu posto.”

Trump, naturalmente, se referiu a Mattis à moda Trump, sem classe, em tom vingativo; disse que Mattis seria ‘o general mais superestimado do mundo” – comentário ridículo.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23729.jpg

Mattis ganhou o apelido de “Cachorro Louco” – jamais usado por quem o conheça, dizem os amigos – depois de ter dito coisas como “ser polido e profissional, mas ter plano pronto para matar qualquer um que apareça”; e “bom soldado obedece ordens, mas verdadeiro guerreiro usa a pele do inimigo como poncho”,  como a rede CNN noticiou.

“O apelido me foi dado pela imprensa, e alguns de vocês podem já ter passado por situações em que os jornalistas nada compreenderam” – disse Mattis.

O artigo de Foreign Affairs – que está ecoando amplamente, aprofunda as mesmas ideias da carta de renúncia de Mattis.

“Já antes da pandemia de coronavírus, a Estratégia de Defesa Nacional de 2017 descreveu ambiente internacional de crescente desordem global, competição estratégica de longo prazo, rápida dispersão de tecnologias e erosão da vantagem militar a favor dos EUA” – lê-se em Foreign Affairs.

“Os EUA hoje estão minando as fundações de uma ordem internacional manifestamente vantajosa para interesses dos EUA, o que reflete ignorância básica da extensão da profundidade estratégica vital que instituições internacionais e alianças robustas sempre garantiram.”

Na prática, acrescentam Mattis e seus coautores, “EUA em primeiro lugar” significou “EUA sozinhos”, tornando a nação mais vulnerável a ameaças emergentes (Military.com).

O artigo fala da urgência de que o novo governo Biden manifeste mais atenção às preocupações dos aliados que sinalizem desejar unir-se aos EUA para enfrentar desafios globais.

“A abordagem privilegiada pelos defensores do atual governo faz crer que outros países não teriam escolha, além de aceitar todos os desejos dos EUA e cooperar nos termos que os EUA fixem. É delírio” – diz o artigo.

Os autores também conclamam Biden para que busque áreas de cooperação com a China, principal concorrente dos EUA, reduzindo a ameaça, para evitar guerra.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23730.jpg
Mensagem de Natal: "Fodam-se"-Charge de Joep Bertrams





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://asiatimes.com/2020/11/mattis-leads-charge-to-end-trumps-america-first-folly/
Publication date of original article: 26/11/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=30216

 

Tags: Jim MattisAmeriKKKa em primeiro lugarTrumpolândiaDeclívio do Império ianque
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.