TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 21/10/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Aliança sino-russa chega à maioridade (1-3)
Date of publication at Tlaxcala: 02/10/2020
Original: The Sino-Russian Alliance comes of age (1-3)

Aliança sino-russa chega à maioridade (1-3)

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Declarações conjuntas de dois países são geralmente voltadas para um evento particular, mas em circunstâncias extraordinárias envolvendo grandes potências, podem assumir caráter de época e podem ser vistas como comunicação diplomática que reflete o que os alemães chamam de zeitgeist – o espírito do tempo, espírito ou humor que define uma época, um período particular da história – e enquadrar relações geopolíticas de poder.

Isso é ainda mais verdadeiro no caso de grandes potências que tenham longa tradição na diplomacia e deixaram marcas profundas na marcha da história.

Com certeza, a declaração conjunta emitida após a visita do Conselheiro de Estado Chinês e Ministro das Relações Exteriores Wang Yi a Moscou em 10-11 de setembro de 2020 enquadra-se nesta segunda categoria.

A visita de Wang a Moscou ocorreu em conexão com a reunião de ministros das Relações Exteriores da Organização de Cooperação de Xangai. Sua “bilateral” com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, ocorreu em 11 de setembro no final da visita, mas do ponto de vista da segurança internacional e da ordem mundial, já é evento importante, como ponto de virada na evolução da entente sino-russa.

O documento que saiu da visita de Wang chama a atenção para as áreas centrais da parceria sino-russa para que se analisem os discursos, os interesses mútuos de duas potências e o contexto geopolítico global em constante evolução na situação mundial contemporânea.

A declaração conjunta tem mais a natureza de uma declaração sino-russa sobre a atual situação internacional e os principais problemas, especialmente a estabilidade política global e a recuperação econômica global. É o tipo de declaração que geralmente se atribui a aliados próximos e significa que uma etapa qualitativamente nova está se aproximando na parceria abrangente e cooperação estratégica sino-russa, que já levou as relações bilaterais ao seu nível historicamente mais alto.

Claramente, a declaração conjunta Rússia-China de 11 de setembro é documento negociado e público de uma relação bilateral que reflete não apenas as ideologias políticas dos dois países, mas também sua “visão comum” e suas recomendações para encontrar soluções em conjunto para seus problemas comuns. Refere-se a um mundo que “vive um estágio de profunda transformação. A turbulência está ficando mais forte (...) A epidemia de coronavírus se tornou o desafio global mais sério em tempos de paz.”

As doze principais áreas de parceria delineadas na declaração conjunta refletem também os objetivos de política externa dos dois países. Essas doze áreas incluem, em primeiro lugar, a campanha invejosa iniciada pela Grã-Bretanha e pelos Estados Unidos, que foi colhida por um punhado de outros países (incluindo um coro dentro da Índia). Por essa campanha, a culpa pela pandemia de coronavírus – chamado “vírus Wuhan” – seria diretamente da China, onde teria começado, pelo alegado fracasso dos chineses em cumprir sua obrigação internacional de compartilhar detalhes com a comunidade mundial.

A “politização” da pandemia acabou por não prosperar na comunidade internacional – sequer nos EUA mesmo dentro da América. Mas o estado norte-americano – e aliados anglo-saxões – serviram-se da ideia, para difamar a China, para se intrometerem nos assuntos internos da China e para montar rapidamente ataques injustificados ao próprio sistema político chinês.

O documento de 11 de setembro ressalta que Moscou apoia firmemente Pequim, ao instar outros governos e estados, organizações públicas, mídia e círculos de negócios a promover a cooperação e resistir conjuntamente a informações falsas, a parar de politizar a pandemia e, em vez disso, unir esforços para superar a infecção por coronavírus e responder em conjunto a vários desafios e ameaças.

Sem dúvida, será motivo de grande satisfação e conforto para Pequim neste momento, que assim como Moscou destaca a alta qualidade da entente sino-russa, ofereça também a decidida solidariedade do Kremlin à liderança chinesa, nesta questão tão sensível.

Os dois países sublinharam que insistem no papel coordenador da OMS nos esforços internacionais para conter as epidemias, aprofundar a cooperação internacional nesta área e supervisionar o desenvolvimento acelerado de medicamentos e vacinas.

Para ler mais, clique na imagem para abrir o documento





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://indianpunchline.com/?s=The+Sino-Russian+Alliance+Comes+of+age+%E2%80%94+Part+1
Publication date of original article: 14/09/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=29738

 

Tags: Aliança sino-russa
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.