TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 22/10/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Sinofobia, mentiras e guerra híbrida
Date of publication at Tlaxcala: 24/09/2020
Original: Sinophobia, lies and hybrid war
Translations available: Français  Deutsch 

Sinofobia, mentiras e guerra híbrida

Pepe Escobar Пепе Эскобар پپه اِسکوبار

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Bastou um minuto para que o presidente Trump metesse um vírus na 75ª Assembleia Geral (virtual) da ONU, ao denunciar “a nação que disparou essa praga contra o mundo”.

Na sequência, tudo se foi ladeira abaixo.

Apesar de a fala de Trump não passar, na essência, de conversa de campanha eleitoral, e de ele absolutamente não se preocupar com a reputação da ONU como organismo multilateral, pelo menos o quadro ficou suficientemente claro para ser visto por toda aquela sempre socialmente distante “comunidade internacional”.


Paul Rogers, The New Yorker, 1/1/2018

Aqui (em ing. e aqui em port.) a íntegra da fala do presidente Xi; e aqui (em ing. e aqui em port.) a íntegra da fala do presidente Putin, à Assembleia Geral. E eis o tabuleiro de xadrez geopolítico, outra vez: a “nação indispensável” versus a parceria estratégica Rússia-China.

Ao destacar a importância da ONU, Xi não poderia ser mais explícito. Disse que nenhuma nação tem direito de controlar o destino de outras: “Muito menos se pode permitir que uma nação faça o que bem entenda, como hegemon, provocador ou patrão do mundo.”

A classe governante nos EUA obviamente não deixará passar esse ato de desafio. Todo o espectro de técnicas de Guerra Híbrida continuará incansavelmente turbinado e ativado contra a China, acrescido de sinofobia rampante, mesmo se alcançar tantos territórios de Dr. Fantástico, que o único modo para realmente “conter” a China seja Guerra Quente.

Infelizmente, o Pentágono está superdistendido – Síria, Irã, Venezuela, Mar do Sul da China. E não há analista que ignore as capacidades da China para ciberguerra, sistemas integrados de defesa aérea e os mísseis Dongfeng, matadores de porta-aviões.   

Para melhor visão do quadro todo, é sempre muito instrutivo comparar gastos militares. Ano passado, a China gastou $261 bilhões; os EUA, $732 bilhões (38% do total global).

Pelo menos por enquanto, a retórica prevalece. O principal tema, martelado incessantemente, é sempre a China como ameaça existencial ao “mundo livre”, apesar das incontáveis declinações do que um dia foi o “pivô para a Ásia” de Obama que só obram para acelerar a construção de consenso a favor de nova guerra.

Essa matéria do Qiao Collective identifica com clareza o processo: “Chamamos de Sinofobia, Inc. – um complexo industrial-informacional, onde dinheiro de estados ocidentais financiadores, fabricantes de bilhões de dólares em armas e think-tanks de direita convivem e operam em sintonia para inundar a mídia com mensagens segundo as quais a China seria o inimigo público número 1. Armados com dinheiro do Estado e de patrocinadores na indústria bélica, esse punhado de influentes think-tanks estão fixando os termos da Nova Guerra Fria contra a China. O mesmo ecossistema midiático que azeitou as engrenagens da guerra perpétua rumo à desastrada intervenção no Oriente Médio, está agora ocupada, construindo o consenso favorável ao conflito com a China.”

A tal “margem militar de vantagem dos EUA”

A demonização da China, carregada de não disfarçado racismo e do mais doentio anticomunismo, serve-se de ampla palheta multicor: Hong Kong, Xinjiang (“campos de concentração”), Tibete (“trabalho forçado”), Taiwan, “vírus chinês”; a “armadilha da dívida”, na Iniciativa Cinturão e Estrada.  

Paralelamente avança a guerra comercial – prova destacada de como o “socialismo com características chinesas” está derrotando o capitalismo ocidental no seu próprio jogo high-tech. Daí as sanções aplicadas a 150 empresas que produzem chips para Huawei e ZTE, ou a tentativa de quebrar o negócio da empresa TikTok nos EUA (“Mas ninguém consegue roubar o produto e convertê-lo em filhote dos EUA” – como tuitou o editor-chefe de Global Times).

Com tudo isso, a SMIC (Semiconductor Manufacturing International Corporation), maior empresa fabricante de chips da China, que obteve lucro de $7,5 bilhões, num recente leilão público de ações, em Xangai, pode mais cedo ou mais tarde saltar à frente dos fabricantes norte-americanos de chips. 

No front militar, prossegue sem alívio a “pressão máxima” sobre a borda oriental da China – da reanimação do “Quarteto” à luta para fazer avançar a estratégia do Indo-Pacífico.

A Think-tankelândia é essencial para coordenar todo o processo, mediante, por exemplo, o Center for Strategic & International Studies, com “doadores entre empresas e associações comerciais” onde se reúnem suspeitos de sempre como Raytheon, Lockheed Martin, Boeing, General Dynamics e Northrop Grumman.

Assim temos o que Ray McGovern descreve brilhantemente como MICIMATT – o Complexo Military-Industrial-Congressional-Intelligence-Media-Academia-Think-Tanks – acionistas controladores da empresa Sinofobia Inc.

Mesmo que aconteça vitória dos Democratas em novembro, nada mudará. A cabeça do Pentágono será provavelmente Michele Flournoy, ex-sub-secretária da Defesa para Políticas (2009-2012) e co-fundadora do Center for a New American Security, muito ativo nos dois campos: “desafio chinês” e “ameaça norte-coreana”. Flournoy é empenhada militante a favor de se ampliar “a margem militar dos EUA” na Ásia.

Mas o que, afinal, a China está fazendo?

Principal tópico de política exterior da China é fazer avançar uma “comunidade de futuro compartilhado para a humanidade”. Está escrito na Constituição e implica que a Guerra Fria 2.0 é imposição de atores externos.

As três mais altas prioridades da China pós-Covid-19 são erradicar afinal a pobreza; estabilizar o vasto mercado doméstico; e voltar a pleno vapor ao comércio/investimentos por todo o Sul Global.

A China como “ameaça existencial” também aparece simbolizada pelo ímpeto para implementar um sistema de comércio e investimento não ocidental, incluindo tudo, do Banco Asiático de Infraestrutura e Investimento e o Fundo da Rota da Seda até comerciar sem ter de se manter preso ao EUA-dólar.

Estudo da Harvard Kennedy School tenta, pelo menos, compreender como a “resiliência autoritária” dos chineses ecoa domesticamente. O estudo descobriu que a popularidade do Partido Comunista Chinês realmente cresceu, com maior apoio popular, de 2003 a 2016, alcançando espantosos 93% de avaliações favoráveis, devidos, essencialmente, a programas de bem-estar social e à batalha contra a corrupção. 

Contrastando com isso, quando se tem um MICCIMAT investindo em Guerra Perpétua – ou “Guerra Longa” (terminologia do Pentágono desde 2001) – em vez de saúde, educação e melhoria na infraestrutura, o que sobra é caso clássico de rabo que abana o cachorro. Sinofobia é a via perfeita para atribuir à “ameaça existencial” que vem da China, toda a culpa pela resposta horrenda ao Covid-19, pela extinção dos pequenos negócios e pela Nova Grande Depressão que se aproxima.   

O processo nada tem a ver com “derrota moral” e com se queixar de que “há risco de perdermos a disputa e pôr o mundo em perigo”.

O mundo não está “ameaçado”, porque pelo menos vastas porções do Sul Global estão plenamente conscientes de que a tão louvada “ordem internacional baseada em regras” não passa de eufemismo para Pax Americana – ou Excepcionalismo. Tudo que Washington projetou para o pós-2ª Guerra Mundial, Guerra Fria e “momento unilateral”, já não se aplica.  

Bye, bye Mackinder

Como o presidente Putin várias vezes disse bem claramente, os EUA já não são “capazes para acordos”. Quanto à “ordem internacional baseada em regras”, no melhor dos casos é eufemismo para capitalismo financeiro controlado por interesses privados em escala global. 

A parceria estratégica Rússia-China tornou bem claro, repetidas vezes, que contra a expansão da OTAN e do Quarteto, a expansão daquela parceria repousa sobre comércio, desenvolvimento e integração diplomática em toda a Eurásia.

Diferente do que se viu do século 16 até as últimas décadas do século 20, agora a iniciativa não vem o Ocidente, mas do Leste da Ásia (eis a beleza da “iniciativa” incorporada à sigla ICE).

Entram corredores continentais e eixos de desenvolvimento que atravessam o Sudeste da Ásia, a Ásia Central, o Oceano Índico, o Sudoeste da Ásia e a Rússia até a Europa, combinados com uma Rota Marítima da Seda por todas as áreas costeiras do sul da Ásia.

Pela primeira vez em sua história milenar, a China é capaz de dar conta de uma expansão política e econômica ultra dinâmica, por terra e por mar. Vai muito além da curta era das expedições marítimas de Zheng He durante a dinastia Ming, no início do século 15.

 

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23239.jpg

Rotas e destinos das sete viagens de Zheng He entre 1405 e 1433, como explorador e embaixador da dinastia Ming chinesa (1368-1644)

Não surpreende que o Ocidente, especialmente o Hegemon, simplesmente não consiga compreender a enormidade geopolítica disso tudo. E eis porque tanta sinofobia, tantas técnicas de Guerra Híbrida aplicadas para aniquilar a “ameaça”.

No passado recente, a Eurásia foi ou colônia do Ocidente, ou domínio dos Soviéticos. Agora, está à beira de finalmente se livrar dos cenários de Mackinder, Mahan e Spykman, quando a terra central e as terras costeiras [ing. the heartland and the rimland] progressiva e inexoravelmente se integram, nos próprios termos, direto, até meados do século 21.  

 

 

 




Courtesy of Tlaxcala
Source: https://asiatimes.com/2020/09/sinophobia-lies-and-hybrid-war/
Publication date of original article: 23/09/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=29688

 

Tags: China-Rússia-EUADeclínio do Império ianqueSinofobiaNova Guerra FriaXi-Putin-TrumpMultilateralismo vs Excepcionalismo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.