TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 26/01/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EDITORIALS & OP-EDS 
EDITORIALS & OP-EDS / Perversões intelectuais: os pensadores-em-chefe do Império
Date of publication at Tlaxcala: 13/01/2020
Original: Intelectualidad perversa
Translations available: Italiano  Français 

Perversões intelectuais: os pensadores-em-chefe do Império

Alí Ramón Rojas Olaya

 

Em 1786, quando Bolívar tinha três anos, Thomas Jefferson (1743-1826), antes de se converter em terceiro presidente dos EUA (1801-1809) e, antes da Doutrina Monroe estar redigida, vomitou essas palavras: “Nossa Confederação deve ser considerada como o ninho a partir do qual toda a América, do Norte e do Sul, será povoada. Mas é preciso precaução para evitar que creiamos que interessaria a esse grande continente expulsar aos espanhóis. No momento, aqueles países estão nas melhores mãos, e temo apenas que aquelas mãos sejam débeis demais para manter sujeitos aqueles países, até que nossa população tenha crescido suficientemente para os arrancar delas, pedaço a pedaço”. Palavras macabras que se apoiavam militarmente no Corpo de Fuzileiros Navais [Marine Corps], fundado na Filadélfia dia 10/11/1775.

O mundo para os EUA

Em 1804, John Quincy Adams (1758-1831), que viria a ser o 6° presidente dos EUA (1825-1829), expande a visão de seu congênere: “Nossa única esperança é ser donos do mundo.”

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_21574.jpg

Os 12 apóstolos

As mais importantes universidades e centros de altos estudos da OTAN (Organização Terrorista do Atlântico Norte) estão a serviço das políticas de ingerência. Ali, think tanks maquinam a urdidura de seu próprio império: Henry Kissinger (Harvard), Allen Dulles (Princeton), Leo Strauss (Columbia), Allan Bloom (Chicago), Alexandre Kojève (École Pratique des Hautes Études de Paris), Paul Wolfowitz (Chicago e Cornell), Francis Fukuyama (Harvard e Cornell), Albert Wohlstetter (Columbia e City College of New York), Milton Friedman (Columbia, Chicago e Rutgers), Gene Sharp (Estatal de Ohio), Robert Keohane (Harvard) e Joe Nye (Harvard) são apenas alguns desses centros de gerar pensamento. É dever de todos os bolivarianos conhecer a obra deles e expor a sua ideologia ameaçadora, para fortalecer a defesa integral. 

 

Doutrina Monroe

A Doutrina Monroe e a concepção de que os EUA teriam um “Destino Manifesto” (Manifest Destiny) foram “desenvolvidas no século XX por três pensadores que consolidaram a ideologia do pensamento conservador dos Estados Unidos”. Luis Antonio Bigott em seu libro Otra vez e ahora sí Bolívar contra Monroe (Editorial Trinchera, 2010), refere-se a Leo Strauss (1899-1973), Allan David Bloom (1930-1992) e Alexandre Kojève (1902-1968) autores que, influenciados pela Fenomenologia de Edmund Husserl e pelo Existencialismo do filósofo nazista Martin Heidegger, sustentam a superioridade dos USA.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_21573.jpg

American Progress
, de John Gast, 1872, alegoria do Destino Manifesto : “Columbia”, simbolizando os EUA, conduz a civilização para o Oeste, à frente de colonos que instalam linhas de telégrafo e, assim fazendo, provocam a fuga de animais selvagens e dos Peles Vermelhas, provavelmente aterrorizados pelo livro que ela carrega...

Destino manifesto

Todos os norte-americanos creem-se superiores porque a Doutrina do Destino Manifesto prega que os EUA é nação destinada a se expandir do norte para o sul, da costa do Atlântico até o Pacífico. Dessa maneira, os estadunidenses assumem que a expansão seria não só benéfica, mas também lógica, vale dizer, manifesta e correta, ou seja, com destino conhecido. O Destino Manifesto apoia-se, como fundamento, num versículo bíblico, do Deuteronômio, no qual também Israel se fundamenta para invadir a Palestina, e cujo equivalente alemão é a teoria do Lebensraum [aprox. “espaço vital mínimo necessário à vida”] que os nazistas promoveram como justificativa para a própria expansão sobre o leste da Europa e a Ásia Central. Quem tenha dúvidas que leia o capítulo 20 do “Deuteronômio”, livro do Antigo Testamento e do Tanaj hebreu, que aparece no quinto lugar, depois de “Números”, e que, portanto, é o último texto da Torá e, para os cristãos, do “Pentateuco”:

10. “Quando te aproximares de uma cidade, para atacá-la, primeiro oferecerás a paz. 11. Se aceitar e te abrir as portas, todos os habitantes de pagarão tributo e te servirão. 12. Mas se te recusar a paz e preferir a guerra, tu a sitiarás. 13. E quando o Senhor teu Deus a colocar em tuas mãos, passarás no fio da espada todos os homens. 14. Só ficarás com as mulheres, as crianças, o gado e tudo que se encontrar na cidade; ficarás com toda a presa e poderás comer dos despojos de teus inimigos, que o Senhor teu Deus te dá. 15. Assim procederás com todas as cidades mais afastadas que não pertencerem às cidades dos povos daqui. 16. Mas nas cidades dos povos que o Senhor teu deus te dá em herança, não deixarás alma viva” [Bíblia Sagrada, “Deuteronômio”, cap. 20:10-16, Petrópolis: Ed. Vozes, 1984, pp. 219, “A Conquista das Cidades”]

O Destino Manifesto resume-se em três aspectos: (1) a virtude das instituições e dos cidadãos dos EUA. (2) a missão que lhes caberia de expandir essas instituições, para refazer o mundo à imagem dos EUA. (3) a ideia de que Deus teria encomendado aos EUA o cumprimento dessa missão.

A Doutrina Monroe, elaborada por John Quincy Adams e atribuída a James Monroe em 1823, declara que a América Latina é “esfera de influência” dos Estados Unidos, noção que se resume na frase “América para os americanos”, mas não para todos os americanos, só para os norte-americanos, que seriam, para eles mesmos, os únicos americanos.

Marco teórico da violência

Para Strauss, a paz é situação negativa, da qual a guerra é o estado positivo. Referindo-se ao destino do colosso do norte escreve: “EUA é a nação escolhida por Deus. De modo algum os EUA devem comprometer-se com alguma paz americana: a guerra deve ser permanente”.

Strauss, aprendeu de Nietzsche que só uns poucos estão em condições de conhecer a verdade sem serem destruídos por ela. Os filósofos não podem dizer o que verdadeiramente pensam. A verdade, vista assim, é perigosa e destrutiva para a sociedade. Por isso diz que, desde o princípio dos tempos, os homens elaboram mentiras para conseguir viver mais tranquilamente. A esperança no além, a certeza de que os maus serão castigados, e os bons, premiados, a reencarnação, a ressurreição, a vida eterna, a própria imagem de Deus, tudo aí não passa de esperanças para poder viver. “Mentiras necessárias”, sem as quais, provavelmente, a maioria dos seres humanos se desesperariam e até se suicidariam ao saber que não há final feliz para esse vale de lágrimas. Bloom acrescenta que: “Os EUA são o centro da dominação e precisa manter permanentemente a violência”.

Kojève, por seu lado, afirma que os componentes teleológicos, o dever-ser necessário dos Estados Unidos, são o nacionalismo e o messianismo. A verdadeira civilização, que para Kojève é representada pelos Estados Unidos, só será possível se se mantém um inevitável regime de terror.

Francis Fukuyama (1952) defende a teoria de que chegou ao fim a história humana como luta entre ideologias; e começou um mundo no qual se impôs a economia neoliberal; a qual é um pensamento único, amparado numa pseudodemocracia.

Paul Wolfowitz (1943) justifica a guerra para expandir a democracia de livre mercado. Especialista em inventar ameaças imaginárias para conseguir dinheiro para se lançar em aventuras bélicas, criou teorias sobre “intervenções preventivas” e a necessidade de manter intimidados todos os “competidores emergentes”. Por influência de Allan Bloom, Paul Wolfowitz desenvolve os próprios conhecimentos no campo das ciências políticas; seu interesse central é a filosofia de Leo Strauss, conselheiro de Bloom.

Albert Wohlstetter (1913-1997); que estudou Matemática com Jacob Wolfowitz, pai de Paul, é o primeiro estrategista do projeto nuclear dos EUA. É membro da Rand Corporation e teórico da vulnerabilidade dos Estados Unidos. Wohlstetter, figura chave dos neoconservadores, fundou o grupo dos “Vulcanos”, referência ao deus romano que forja as armas divinas, no fundo dos vulcões. Condoleezza Rice foi membro desse grupo.

Milton Friedman (1912-2006), economista sionista norte-americano, criador da doutrina do libre mercado, infestou o Chile em 1975 de conferências sobre economia durante o governo militar de Pinochet, como convidado da Escola de Negócios de Valparaíso. Friedman, pela capacidade demonstrada de afogar economias de países que estavam muito longe de ser livres; por implementar medidas econômicas nada populares, por recomendar que se criasse o caos, para conseguir implementar suas recomendações, recebeu, em 1976, o prêmio Nobel de Economia.

Botãozinho de flor

Entre os anos 1953 e 1961, a direção da Agência Central de Inteligência dos EUA [ing. CIA] foi entregue a Allen Welsh Dulles, que, em 1963, publicaria o libro The Craft of Intelligence [aprox. “A carpintaria da Inteligência”] em que explica o método para conseguir aniquilar a URSS. Para alcançar esse objetivo geral, Dulles cuida de um passo prévio: semear o caos. Para gerar caos, diz ele, é preciso cumprir quatro objetivos específicos, que chamados “episódios”. E explica:

“Episódio depois de episódio, representa-se, pelas proporções, uma tragédia grandiosa – a tragédia da morte do povo mais irredutível em toda a Terra [os soviéticos], a tragédia da extinção definitiva e irreversível a própria autoconsciência. Os objetivos específicos, ou episódios, que atacam os valores, a cultura e o partido, com a ajuda dos lacaios de sempre são: Inoculação de antivalores: “Substituiremos” os valores soviéticos, “sem que ninguém perceba, por outros, falsos, e os faremos crer neles”. Ajuda de lacaios: “Encontraremos nossos aliados e correligionários, na própria Rússia. Contracultura: “Da literatura e da arte, por exemplo, faremos sumir a carga social. Desabituaremos os artistas, lhes tiraremos as ganas de se dedicar à arte, à investigação dos processos que se desenvolver no interior da sociedade. Literatura, cine, teatro, terão de refletir e enaltecer os sentimentos humanos mais baixos. Apoiaremos e promoveremos por todos os meios os chamados artistas que comecem a semear e a inculcar na consciência humana o culto do sexo, da violência, o sadismo, a traição. Numa palavras: qualquer tipo de imoralidade”. Caos no partido [falava do Partido Comunista na URSS]: “Na direção do Estado, criaremos o caos e a confusão. De modo imperceptível, mas ativa e constantemente, viabilizaremos o despotismo dos funcionários públicos, a corrupção, a falta de princípios. Honradez e honestidades serão ridicularizadas [como] desnecessárias e convertidas num vestígio do passado. O descaramento, a insolência, a fraude e a mentira, o alcoolismo, o consumo de drogas em geral, o medo irracional entre semelhantes, a traição o nacionalismo, a inimizade entre os povos e, em primeiro lugar, o ódio contra o povo russo; cultivaremos habilmente tudo isso, até que ecloda, como um botãozinho de flor”.

Uma vez alcançados esses quatro objetivos específicos, Dulles infere que “Só uns poucos conseguirão suspeitar e talvez mesmo, alguns, até compreender o que realmente se passa”. “Mas esses nós os poremos numa posição na qual não consigam defender-se, ridicularizados, sempre encontrando algum meio para caluniá-los, desacreditá-los e assinalá-los como lixo social. Destruindo os fundamentos da moralidade, faremos com que esses personagens pareçam sórdidos”. “Nossa principal aposta será a juventude. Corromperemos, desmoralizaremos e perverteremos a juventude”.

A violência da não violência

Gene Sharp (1928) faz do jiu-jitsu uma arma de paz no mundo. O jiu-jitsu é arte marcial japonesa, baseado na defesa sem armas. É praticada no Japão há dois mil anos. Foi criada nas batalhas entre os bushi, guerreiros clássicos, contra os samurai, guerreiros armados e protegidos por armaduras, que passaram a ser neutralizados e vencidos por efeito apenas de luxações, estrangulamentos e derrubamentos. Gene Sharp, professor de Filosofia e Política e fundador do Instituto Albert Einstein, organização “sem finalidades de lucro” que promove “a defensa da liberdade e a democracia e a redução da violência política mediante ações não violentas”, cunhou a expressão “Política Jiu-Jitsu” em seu libro Politics of Nonviolent Action: Part One: Power and Struggle publicado em 1973 [sobre livro e autor, ver, em português do Brasil, “Os Golpes e o Método Passo a Passo de Gene Sharp. Saiba como derrubar um governo de modo “suave”, no blog do jornalista Luis Nassif, em 2013. Com a expressão “ação não violenta”, Sharp, nascido dia 21/1/1928, refere-se a como derrubar um opositor mediante estratégia política que o desestabilize.

A chave de Gene Sharp está em que o poder não deriva de alguma qualidade intrínseca de quem esteja no poder, vale dizer, o poder não é monolítico. Segundo Sharp, toda estrutura de poder depende de os sujeitos obedecerem as ordem da direção política. Assim, se há desobediência civil, o governo cai. E sempre há entre estudantes universitários muitos que se deixam seduzir para desobedecer.

Nesse sentido, o cubano Raúl Antonio Capote [ver entrevista, em português do Brasil, em Sul21, de 2015] conta em seu libro Enemigo, que quando estava infiltrado na contrarrevolução dentro de Cuba recebia instruções da CIA para “criar, melhorar e incrementar o trabalho de redes entre estudantes universitários” com a finalidade de os usar “para provocar caos social e político, e gerar distúrbios de ruas, em nome da não violência, atrair a mídia internacional, provocar a repressão, mediante atos violentos e ilegais” para em seguida divulgá-los pelas empresas privadas de comunicação social “para justificar qualquer ação contra a revolução cubana, como se fosse ato de justiça”.

Gene Sharp vivia, até à sua morte aos 90 anos em 2018, no mesmo prédio onde funciona a Albert Einstein Institution (AEI). O prédio é, de fato, um laboratório pró-império, que funciona como um teatro de operações de desestabilização contra governos que não se submetam aos interesses dos EUA. Nessa central de inteligência teceram-se as “revoluções coloridas” e as “primaveras árabes”. Não por acaso, a página da Albert Einstein Institution na internet é traduzida em 40 idiomas.

Soft power [O ‘poder brando’]

Os geopolitólogos Joe Nye e Robert Keohane publicaram o libro Poder e Interdependencia (1977) [em espanhol: KEOHANE, Robert O.; NYE JR., Joseph S. Poder e Interdependencia: La política mundial em transición. Grupo Editor Latinoamericano, 1988. A referência aparece aqui, o que sugere que não haja edição brasileira], no qual desenvolvem os conceitos de interdependência assimétrica e complexa como parte da teoria do neoliberalismo das relações internacionais. Nye em 2004 publica El poder blando: los medios para el éxito en la política mundial”. Para Nye o soft power é mais efetivo que o poder duro (invasão militar e guerra econômica), dado que se exerce mediante a contracultura e a ideologia dominante e ataca no plano psicológico: “poder” é a habilidade para influenciar o comportamento de outros e obter os resultados que se desejam.

A tendência do soft power é “trabalhar indiretamente formando o ‘contexto’, o ‘entorno’, para a política, e algumas vezes demora anos até produzir os resultados esperados”. Nye fala de três categorias de análise: cultura, valores e políticas. Em seu The future of Power (2011), Nye reitera que, dado que o poder brando é descritivo, mais que normativo, pode ser manejado para propósitos infames. Esse professor da Universidade de Harvard afirma que “A sedução é sempre mais efetiva que a coação, e valores como a democracia, direitos humanos e oportunidades individuais são profundamente sedutores”.

¡Bolívar vive!

O empresário estadounidense Warren Buffett, maior acionista e diretor executivo de Berkshire Hathaway, é bem claro: “Há uma guerra de classes, mas é a minha classe, a classe dos ricos, que faz essa guerra. E estamos vencendo.”

Bolívar foi alvo dos Estados Unidos entre 1824 e 1830. Os “albinos do norte” Henry Clay, William Tudor e William Henry Harrison e o vassalo local Santander queriam destruir a República da Colômbia, que Bolívar criara dia 17/12/1819 em Angostura, porque representava enorme poder: ali estava o ponto ideal para construir um canal interoceânico, grandes extensões onde plantar café e cacau, imensas riquezas naturais, os rios Orinoco, Magdalena, Meta e Caram í.

Sobre seus inimigos, diz Bolívar: “Afinal se veem unidos todos os maus e todos os perversos de todos os cantos, para derrubar a única coisa boa e sólida que há, dividir depois entre eles os despojos e despedaçarem-se eles todos, afundando esse país para sempre nos abismos”. Com toda a razão e consciente do perigo que havia nos planos de expansão dos norte-americanos, cunhou frase impressionante: “Acho que melhor seria para a América Latina abraçar o Corão, que aceitar o governo dos EUA”.

¡Bolívar vive!





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.unexca.edu.ve/index.php/2019/02/17/articulo-intelectualidad-perversa/
Publication date of original article: 17/02/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=27859

 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.