TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 26/01/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / 15 de Novembro: Brasil, uma República em agonia
Date of publication at Tlaxcala: 19/11/2019
Translations available: Français 

15 de Novembro: Brasil, uma República em agonia

Mário Maestri

 

O artigo abaixo foi pedido para ser publicado no Caderno de Sábado de 16 de novembro do Correio do Povo, o jornal de maior circulação do Rio Grande do Sul, pertencente ao Grupo Record. Foi censurado pela direção da redação do jornal. Vida longa à República!-Tlaxcala

 

Proclamação da República, por Benedito Calixto, 1893

O Brasil já foi proposto como nação inconclusa, mesmo em uma versão conservadora. Avaliação otimista sugerindo eventual conclusão feliz. É uma injustiça apontar a proclamação da República elitista como origem de nossa minoração nacional, já que a roda da história não se deteve em 1889. Nações republicanas nasceram do ímpeto popular, como a França, em 1789; o Paraguai, em 1814; o México, em 1910; a Rússia, em 1917; a Itália, em 1945. Monarquias absolutistas adaptaram-se ao empuxe plebeu para sobreviver, como a Inglaterra em 1640. Ali onde fracassou o impulso popular, classes dominantes fundaram nações republicanas e monarquistas constitucionais, como os USA, em 1776; a Itália e a Alemanha, em 1870 e 1871. 

O parto republicano plebeu ou a fórceps impregnou as raízes das respectivas nações. Em contextos históricos diversos, aqueles movimentos conformaram nacionalidades tendencialmente autônomas, mais ou menos fortemente determinadas pelos segmentos populares ou dominantes. É otimista a tradicional definição de “república” como “governo” em que o povo soberano rege o Estado através de seus “representantes”. Ela encobre as contradições profundas, internas e externas, de Estados-nação que se pretendem dirigidos pelo povo. 

No Brasil, a república nasceu da dissolução da ordem escravista.  Em 1822, para sua defesa, o escravismo impusera a unificação das províncias luso-brasileiras em Estado pré-nacional monárquico, centralista, autoritário e escravista. A abolição da escravatura, em 1888, ensejou, no ano seguinte, o gabinete liberal reformista de Ouro Preto, que se negou, porém, a conceder o federalismo provincial. Agora sem a necessidade de defender a escravidão, o Partido Conservador, expressão dos grandes proprietários provinciais, optou por uma república oligárquica, elitista e sobretudo federalista.

Com o fim da guerra contra o Paraguai, em 1870, o Exército voltou à sua minúscula dimensão e a Guarda Nacional, sob domínio oligárquico, seguiu sendo a grande força militar do país. Em 15 de novembro, o golpe de Deodoro da Fonseca, que nem republicano era, foi abençoado pelas oligarquias. Sem esse apoio, a quartelada republicana seria hoje nota de rodapé de manuais de história. O historiador Robert Conrad propôs o 15 de novembro como contrarrevolução federalista que abortou o reformismo abolicionista, primeiro movimento pluriclassista, nacional, democrático e modernizador do país. O Estado republicano mostrou seu DNA antipopular massacrando República Sertaneja de Belo Monte, em 1897.

Em 1889, o Brasil acertava o passo, atrasado, com a América Hispânica, republicana a partir de 1810. A revolução abolicionista pôs fim ao escravismo e unificou a classe trabalhadora, mas a República manteve o caráter de Estado semicolonial e de nação inconclusa do Império. As chamadas elites seguiram mandando na política interna, sob o domínio econômico das grandes nações. O país seguiu como latifúndio feitorizado por rústicos estancieiros em proveito de senhores externos.

A Revolução de 1930 desequilibrou essa situação. Fração capitalista industrial emergente do RJ e de SP subordinou através do getulismo o mundo agrário e manteve os trabalhadores através da força e do populismo. Por primeira vez, recuou a dependência semicolonial e cresceu a autonomia nacional. Nos anos 1950, Vargas queria um Brasil grande e armado com a bomba atômica. O nacional-desenvolvimentismo burguês avançou as forças produtivas materiais e as classes trabalhadoras.

Muito logo, o capital industrial abandonou a direção da construção da autonomia nacional, mesmo em seu favor, temendo o avanço do mundo do trabalho, que não alcançou a substituí-lo naquela tarefa. Em 1964, o capital industrial nacional apoiou o golpe de Estado, que entronizou os militares castelistas pró-liberais e pró-imperialistas. Então, o país desandou como maionese malfeita. Em 1967, sob a impulsão do capital paulista, militares desenvolvimentistas promoveram golpe no golpe e a volta do industrialismo getulista burguês, agora calçando coturnos. 

Na nova ordem ditatorial, o populismo getulista deu lugar à repressão; o crescimento apoiado em capitais nacionais e no mercado interno foi substituído pela ênfase nas exportações e nos empréstimos externos. Outra vez, recuou o caráter semicolonial do país. Abriu-se poço para explodir a bomba atômica tupiniquim. Fortaleceram-se a industrialização e uma aguerrida classe operária. Em meados dos anos 1970, a crise mundial fez tropeçar a corrida brasileira feita com as pernas dos outros.

O mundo do trabalho avançou a luta pela redemocratização, conquistando, por primeira e única vez, autonomia político-ideológica mesmo relativa e ensaiando-se como direção alternativa da luta pela emancipação nacional. Porém, o movimento foi embolsado pelas classes dominantes, sob a direção do grande capital. Após 1985, sem exceção, todos os governos federais favoreceram a integração-subordinada do país à globalização. Sob a exigência dos USA, apoiada por esquerda inconsequente, a Constituição proibiu a bomba atômica e fechou-se o poço agora inútil. Ignorou-se que apenas ela faz os grandes respeitem os pitocos, como lembra o gorducho coreano. 

Desde 1985, o país viveu ininterrupto processo de internacionalização, desnacionalização e desindustrialização, festejado pela grande mídia e pelos governos que favoreceram o deslizar lomba abaixo da nação. O avanço quantitativo da situação semicolonial ensejou salto de qualidade, com o golpe de 2016, sob as benções dos generais neocastelistas, agora hegemônicos. Iniciou, então, verdadeira reversão da frágil ordem republicana. O país adentrou espécie de status “neocolonial globalizado”, onde as classes dominantes nacionais perdem também as rédeas políticas da nação para o grande capital mundial, no que diz respeito às grandes decisões.  

Para tal, iniciou-se a destruição de grande parte do pouco capital monopólico público e privado do país - mega empreiteiras, Petrobras, BR, BB, CEF, Embraer etc. Avançou-se na metamorfose autoritário das instituições, despindo-as de conteúdo republicano, e na instituição de espécie de escravidão assalariada, quanto às relações trabalho-capital. Organiza-se abertura comercial que aplainará a indústria brasileira já rastejante. Ao contrário do golpe militar pós 1967, o atual recua e destrói as forças produtivas e as classes trabalhadoras nacionais. 

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_20012.jpg

A subjunção radical do capital nacional levou a que esse processo avance sem resistência do capital industrial nacional, agora incapaz de inspirar defesa castrense. Os partidos da oposição parlamentar aceitam o papel de oposição consentida, como o do MDB depois do golpe. Como no Chile, após o massacre de 1973, o objetivo final é uma nação produtora de manufaturados de baixo valor agregado, de grãos e de minérios, sob o mando geral do grande capital globalizado, que se esforça para enquadrar a essa realidade as nações periféricas. Devido a sua dimensão, população e riqueza, o Brasil não merecia sucumbir a tal destino triste, com tamanha facilidade. Sequer esperneamos.

Em 15 de novembro, o capitão Jair Bolsonaro, metáfora perfeita do Brasil atual, falará à nação sobre o transcurso. Haverá desfiles militares e escolares. Ouvir-se-ão o soar dos clarins e as tradicionais saudações à bandeira. A mídia comentará a efeméride. Festejaremos uma jovem nação republicana em decrepitude, que viveu aos tropeções, sem sequer alcançar a maturidade relativa, antes de entrar em agonia.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://tlaxcala-int.org/article.asp?reference=27492
Publication date of original article: 19/11/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=27492

 

Tags: Golpe bolivianoContrarrevolución bolivianaOdio racista y de claseEstado plurinacional de BoliviaAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.