TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 27/09/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / Lula sai da prisão e, em liberdade, grita forte… “Fica Bolsonaro”!
Date of publication at Tlaxcala: 15/11/2019

Lula sai da prisão e, em liberdade, grita forte… “Fica Bolsonaro”!

Mário Maestri

 

Duplo Expresso, vídeo, 14/11/201

A libertação de Lula da Silva, no sábado, dia 9, após 580 dias de prisão ilegal, foi uma grande vitória democrática e popular, apesar de ter sido devida a uma decisão do STF. O ex-presidente teria seguido preso, sem a campanha nacional e internacional pelo “Lula Livre”, mesmo  não tendo ela assumido um caráter de massa, em boa parte devido à falta de apoio da oposição parlamentar faz-de-conta. Além de populares, pela liberdade de Lula da Silva mobilizaram-se apenas o MST e sobretudo o PCO (Partido da Causa Opáraria). 

São diversas as interpretações sobre as razões dessa libertação, de ampla influência política nacional, ter-se dado agora e não antes ou depois. E de não ter conhecido a oposição do alto comando das forças armadas, na direção efetiva do movimento golpista em institucionalização. Foi conjeturado que a libertação teria o objetivo de revigorar o bolsonarismo mal de pernas com a polarização Bolsonaro versus Lula da Silva. A liberdade do ex-sindicalista revivaria a histeria antipetista do período eleitoral.

Foi também proposta que a libertação, feita após os sucessos recentes do Chile e do Equador, seria medida maquiavélica para criar tumultos populares que justificassem um “fechamento do regime”, com intervenção direta dos altos oficiais militares. Ou seja, os senhores generais deixariam o atual governo nas sombras para tentar aplicar, de sopetão, no contexto dos inevitáveis gritos e ranger de dentes da oposição, o que, na verdade, estão aplicando, sem resistência, em forma gradual, ininterrupta e constitucional.

Erasmo Spadotto

Veto do Alto Comando Militar

Propõe-se também que a libertação de Lula da Silva teria sido medida apaziguadora devido à  economia encontrar-se em um buraco; o bolsonarismo fazer água por todos os lados; os países vizinhos conhecerem mobilizações multitudinárias. Só conheceremos  as razões do golpismo para a libertação do ex-sindicalistas ao contarmos com informação hoje não disponível. Há porém dois fatos objetivos que ajudam no entendimento desse importante sucesso político. O primeiro é que -no mínimo- os senhores generais levantaram o veto que mantinham à libertação. O segundo, de maior peso, é a orientação  política que  Lula da Silva começou a propor ao por o pé na rua, apenas abandonou a prisão.

No dia 9, pela tarde, diante do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, São Paulo, falando para grande número de populares e trabalhadores, Lula da Silva gritou “Fica Bolsonaro”, em forma forte e clara, ao desqualificar a luta pelo fim do governo ilegal, que defendeu ter sido eleito em forma democrática.  Na ocasião, também em forma clara e audível, propôs as eleições de 2020 e 2022 como a estratégia da oposição popular. Saiu da prisão, portanto, para lançar um enorme balde de água fria na luta contra o bolsonarismo e o golpismo. Em forma indiscutível, passou a sustentar o golpismo.

Porém, temos que reconhecer que tal posicionamento não nasceu de movimento de acomodação ao regime golpista, por oportunismo ou decisão de rendição. Trata-se apenas de adaptação à situação política atual da orientação e natureza social-liberal que o ex-sindicalista assumiu, explicitamente, no mínimo, desde 2002, na presidência. Lula da Silva é hoje o que foi na maior parte de sua vida política. Um futebolista virtuoso que defende as cores do grande capital, jogando no time do movimento social. Se esforça apenas para que o time da várzea não perca de goleada.

Oposição frágil

É forte o desânimo que se abateu nas frágeis filas da luta intransigente contra o governo ilegal e o golpismo, iludidas quanto à natureza da  eventual ação de Lula da Silva em liberdade. Não poucos esperavam que ele tomasse à frente do combate contra o golpe, um pouco como o jovem e destemido Leonel Brizola, na direção do movimento popular que vergou o golpismo, em 1961. Porém, Lula da Silva está muito mais para João Goulart, sempre procurando um acordo e acomodação política com as chamadas elites, mesmo às custas dos anseios gerais da população. Sua direção política levou o movimento popular ao desastre de 2016. Se seguida, agora, soterrará a população e a nação em forma ainda mais profunda. 

Militantes decididos da  luta contra o golpe propõem que pouco importa o que Lula diz ou defende, já que a agitação que despertará, sobretudo quando da caravanas nas quais promete serpentear o Brasil, motivará  a mobilização e até mesmo explosão popular que nem ele poderá conter. Proposta piedosa que peca por imenso otimismo.

Em 26 de agosto de 2017, quando o governo Michel Temer balanceava, grogue, contra as cordas, e as mobilizações tomavam as ruas, cada vez mais fortes, Lula da Silva decretou, em Salinas, Minas Gerais, o "Fica Temer”. Mandou a população deixar a luta pela queda do governo e contra o golpe e se concentrar nas eleições de 2018, que sabia viciadas. Apoiou, em forma consciente, a estabilidade do governo Michel Temer e do golpe, preocupado em salvar o aparelho petista. O que  conseguiu, à custa de derrota histórica da população e da nação, com a farsa eleitoral que entronizou  Jair Bolsonaro. 

2022: não vai sobrar nada

A indicação das eleições de 2020 e 2022 como objetivo estratégico da oposição porá em marcha as organização populares; os quadros e recursos da oposição faz-de-conta [PT, PCdoB, PSOL, etc.]. A escassa mídia que se diz de oposição mergulhará alegre no eleitoralismo, sustida, indiretamente, pela grande mídia e pelo golpismo. O golpismo seguira esquartejando tranquilamente a população e a nação enquanto a oposição de brincadeirinha dedica-se a eleger seus vereadores e prefeitos. E eles seguirão, ao lado dos senadores, deputados e governadores “oposicionistas” atuais, todos maravilhosamente remunerados, no combate duro e firme como geléia ao bolsonarismo e golpismo. 

No discurso do dia 9, Lula da Silva referendou como democrática a farsa eleitoral de 2016 e apontou as eleições como forma de oposição, sabendo que, mesmo antes de 2022, pouco sobrará da população e do país, se não houver oposição popular ampla e intransigente. Mais ainda, sequer propôs a retomada substantiva dos direitos sociais e democráticos perdidos: Previdência, direitos trabalhistas; mega-privatizações, revogação das leis ditatoriais aprovadas ou em aprovação -  PL 2478, PL 1595, PL 443, PL 3389, 10.046, todos de 2019. 

Nos fatos, Lula da Silva promete ao grande capital repetir  o comportamento assumido após a vitória de 2002, quando o petismo deixou intocada a realidade estrutural autoritária e anti-popular vigente, com destaque para as ações anti-nacionais e anti-populares dos governos de FHC, com destaque para as méga-privatizações, reforma da Previdência, corrupção generalizada.  A liberdade de Lula da Silva e de outros presos políticos foi uma vitória democrática para a qual o movimento popular contribuiu com destaque.  E foi correto apoiá-la. Mas, agora, Lula da Silva passa a ser parte do problema a ser necessariamente resolvido pelos trabalhadores e pela população brasileira, na sua luta  de terra arrazada do golpismo.

O PCO e a liberdade do Lula da Silva 

O pequenino PCO destacou-se como a primeira organização na esquerda revolucionária que levantou, em forma oportuna e correta, as consignas "Fora Bolsonaro" e "Lula Livre". Ampliou sua militância e influência ao denunciar sem papas na língua o caráter fraudulento das eleições de 2016 e a ilegalidade do governo Bolsonaro, com os meios que possuía. Nessa campanha, o PCO não foi acompanhado, em forma clara, por nenhuma outro organização de alguma relevância reivindicando-se da esquerda marxista.  

O PCO é hoje a maior organização marxista-revolucionária e a primeira a alcançar real audiência nacional, através sobretudo do programa televisivo semanal de seu presidente, Rui Pimente. [COTV]. Criticou-se, com alguma razão, a fixação obstinada no "Lula Livre” e secundarização da luta contra as ações golpistas. O “Lula Livre” foi visto e proposto pela direção do PCO como feixe nevrálgico do combate contra o golpismo. Os avanços organizacionais obtidos na campanha "Lula Livre" teriam contribuído a uma super-valorização da liderança  de ex-presidente. Apenas a má vontade do petismo quanto ao “Lula Livre” não explica a pouca adesão à campanha, sobretudo no contexto da enorme crise atual.

No mesmo sentido, houve, por parte da direção do PCO, uma gradual mas indiscutível recuperação positiva do lulismo e do petismo no passado, sobretudo no relativo aos oito anos de presidência. De presidente social-liberal, representante do grande capital, Lula da Silva passou a ser qualificado como social-democrata, responsável por grandes ganhos para a população. O mesmo movimento ocorreu, apenas com menor ênfase, no que diz respeito ao governo Dilma Rousseff. O PCO passou a exigir a liberdade de Lula da Silva como prisioneiro político e a propô-lo como candidato à presidência, em 2022.

Fica Bolsonaro!

Salvo engano, fora um reconhecimento,  quase formal, ainda em Curitiba, diante da Polícia Federal, foi pública e notória a falta de agradecimento de Lula da Silva à enorme dedicação da direção e da militância do PCO à campanha por sua liberdade. O silêncio não nasceu de esquecimento ou de uma eventual e inexplicável ingratidão. Ele materializou um claro veto político à proposta da adesão ao “Fora Bolsonaro” daquela organização, registrado na referência depreciativa de Lula da Silva àqueles que falam no "fora bolsonaro”, já em São Bernardo.  

A direção do PCO parece não ter preparado politicamente sua militância para esse desdobramento natural dos sucessos políticos, nos últimos tempos quase previsível. Agora, ela não poderá seguir a campanha pela anulação de todas as acusações contra Lula da Silva, de ainda mais baixa atração popular, sem se confundir com o PT.  Muito menos propor Lula da Silva como candidato para 2022, sem abraçar as propostas das eleições como estratégia da oposiação; de "frente política” sem princípios; de reconhecimento da legalidade das eleições de 2016, que agora têm Lula da Silva como primeiro defensor. 

Lula da Silva deixou de ser um preso político para ocupar a posição de direção maior do movimento de acomodação eleitoral ao golpismo e aceitação das transformações estruturais em curso. A recente proposta da direção do PCO de centrar sua atuação em torno da consigna “Fora Bolsonaro” aponta na manutenção desse grupo político como importante pólo da luta contra o golpe.


 





Courtesy of Duplo Expresso/Tlaxcala
Source: https://www.youtube.com/watch?v=MQ53zSdzjA8
Publication date of original article: 14/11/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=27457

 

Tags: LulaBrasilBolsonaziAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.