TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 09/08/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EUROPE 
EUROPE / Salvini e a Lega: avança o perigo neofascista na Itália
Date of publication at Tlaxcala: 05/11/2019
Translations available: Français 

Salvini e a Lega: avança o perigo neofascista na Itália

Mário Maestri
Gregório Carboni Maestri


 

Duplo Expresso, vídeo, min 15:00, 31/10/2019

Após a II Guerra, falou-se sempre de uma Itália Vermelha e de uma Itália branca -a cor do Vaticano-, para assinalar regiões que votavam com a esquerda comunista-socialista ou com a democracia-cristã. Uma orientação geral que se manteve após o tsunami que liquidou, nos anos 1990, a Democracia Cristã, atingida pela Operação Mãos Limpas, e o PCI, que acelerou sua reconversão social-liberal já avançada com a dissolução da URSS.  A Úmbria, no centro-sul italiano, com pouco menos de um milhão de habitantes, foi sempre fortaleza da esquerda, desde as primeiras eleições pós-fascistas, em 1946. 

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_21231.jpg

 

A Úmbria continua a ser o coração verde da Itália
Sim, mas agora verde liguista!

Nas eleições regionais da Úmbria de domingo, 27 de outubro de 2019, aliança de extrema-direita, capitaneada pela Lega, de Matteo Salvini, 46, venceu maciçamente, com 57% dos votos. Integravam a coligação o movimento Fratelli d’Italia [Irmãos da Itália], claramente pós-fascista [inspirados no mussolinismo], em fortalecimento em toda a Itália, e o partido de Berlusconi, em regressão.  Em 2015, a Lega Norte [hoje Lega ] obteve apenas 14% dos votos naquela região. As prefeituras dos grandes centros industriais da Úmbria -Perugia, Orvieto, Termi, etc. - já estão em mãos da direita.

A aliança dita de centro-esquerda recebeu menos de 38% dos votos. Ela era dirigida pelo PD [ex-PCI], social-liberal, aliado sobretudo ao Movimento 5 Estrelas e ao ecologismo. Para ampliar o eleitorado, o centro-esquerda apresentou como candidato empresário apenas chegado do centro-direita. Em relação às eleições de 2015, grosso modo, uns 20% dos eleitores de esquerda votaram na extrema-direita. Muitos eleitores de esquerda e do 5 Estrelas abstiveram-se. A esquerda comunista e a extrema esquerda anticapitalista, separadas, ficaram com menos de 2%.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_18888.jpg

Uma Itália neofascista?

É exemplar a importância desses resultados eleitorais devido ao fato de que, em agosto de 2019, o Movimento 5 Estrelas abandonou, em hábil conchavo político, sua parceria antinatural com a Lega , no governo italiano, para formar um outro governo programaticamente monstrengo, com o PD. Salvini, da Lega, forçara a queda do governo esperando voltar como poderoso primeiro ministro, com ou sem o 5 Estrelas.  O pouco mais de um ano de governo Lega -5 Estrelas dera-se no contexto de contradições viscerais.

A Lega é movimento direitista, anti-esquerdista e racista. Exige crucifixo nos locais públicos e ataca os ciganos, mesmos os italianos. Matteo Salvini, dirigente comunista quando jovem, consagrou-se como ministro do Interior no passado governo. Interrompeu o desembarque da incessante migração clandestina mediterrânea, que apontou como introdução de trabalhadores desesperados para serem explorados, sobretudo no sul da Itália, por um prato de comida. A imigração aumenta o desemprego e o subemprego, enfraquece os sindicados e partidos políticos, pesa sobre os gastos sociais, cria classe de modernos escravos assalariados. Salvini consagrou-se quando do  confronto com os governos alemão e francês sobre os desembarques selvagens no sul na Itália. Sua política recebe o apoio dos racistas e também dos trabalhadores italianos angustiados com a situação que vivem e que vem na imigração a causa de seus infortúnios.

O Movimento 5 Estrelas, do cômico Beppe Grillo,  71, também ex-comunista, prometeu dar a palavra ao cidadão e manteve rígido verticalismo. Negou a divisão esquerda-direita e mergulhou na confusão programática. Não poucos esquerdistas aderiram ao movimento. No governo, Luigi Di Maio, 33, ministro do Trabalho, em competição com Salvini, combateu a precarização do trabalho, a demissão sem justa causa, a expatriação de empresas italianas financiadas pelo governo. Sobretudo, concedeu salário aos desempregados e completou os dos mal pagos [“Renda Cidadã”]. Essas iniciativas, mal vistas por segmentos da classe média, foram desnatadas pela Lega, pressionada por empresários liguistas. As medidas não receberam o apoio decidido do PD, ex-Partido Comunista, que se opôs também ao controle da imigração por Salvini, apresentando razões humanitárias.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_19099.jpg

Maré direitista

A Úmbria e os últimos resultados eleitorais anunciam a probabilidade de um próximo governo majoritário de extrema-direita na Itália, algo que jamais ocorreu no país após 1945. É bastante difícil que o atual governo, com o PD e o 5 Estrelas, com apoio público em queda livre e com contradições programáticas insolúveis, se mantenha até as eleições gerais de 2022.  Além da Úmbria, em 2019, a Lega  e a extrema-direita já conquistaram, entre outras regiões, a Lombardia, o Veneto, o Piemonte,  o Friuli Venezia Giulia, a Basilicata.  

O PD mantém-se no governo de sete regiões, entre elas, alguns bastiões da Itália Vermelha, no centro-norte italiano, como a Emília-Romanha e a Toscana. No Sul, a Calábria, a Campanha e a Puglia também ainda estão governadas pelo centro-esquerda.  No entanto, das sete regiões, seis terão eleições em 2020, entre elas, em 26 de janeiro próximo, a Emília-Romanha, um dos berços do movimento operário e camponês italiano,  coração da guerra vitoriosa contra o nazifascismo dos guerrilheiros comunistas, que cantavam a hoje internacional Bella Ciao

A migração do voto popular para a extrema-direita não é ação ocasional ou impensada, nascida de intoxicação da grande mídia -  que na Itália apoia fortemente o PD. Ela não é vontade passageira de experimentar um candidato novo, mesmo exótico, que substitua os responsáveis pela situação nacional insustentável,  como nas eleições de 2016 no Brasil. O avanço do neofascismo na Itália não conhecerá o rápido fim do apoio popular a Bolsonaro, que desandou de saída, feito maionese mal iniciada.

A cartada nacionalista

Milhões de italianos se voltam literalmente para o neofascismo ou o pós-fascismo devido às suas propostas políticas antiliberais e antiglobalização. Esses movimentos se opõem à governança supranacional, pela União Europeia, das nações mais frágeis do continente - Espanha, Portugal, Itália, Grécia, etc. Governo europeísta sob o tacão do Bundesbank [Banco Central Alemão], expressão do capital hegemônico no Velho Mundo. Ao governo passado e presente sequer lhes foi permitido definir livremente seu orçamento, ao igual do que ocorre em Portugal, na Grécia, etc.

O neofascismo e o pós-fascismo italiano se propõem como nacionalistas e autonomistas, defendendo medidas desenvolvimentistas que reergam a economia da Itália.  Denunciam a submissão da Itália aos USA, à Alemanha, à França. Exigem a retomada de relações prioritárias com a Rússia de Putin e com a China de Xi. Sob a oposição da burocracia da União Europeia, o governo passado iniciou a adesão à Nova Rota da Seda. Os neofascistas e pós-fascistas defendem o fim do desembarque incessante de emigrantes no sul da Itália, que Salvini conseguiu interromper fortemente, durante o governo passado.

Na era da globalização, a Lega tendencialmente neofascista e Fratelli d’Italia pós-fascista  propõe, não importa se demagogicamente e em um viés conservador, literalmente grande parte do programa vilmente abandonado pela esquerda parlamentar italiana, com destaque para  o ex-PCI. O PD, reconvertido ao social-liberalismo, defende as maravilhas do capitalismo globalizado, da integração à União Europeia capitalista, etc. Abandona as reivindicações operárias e sociais, centrando-se nas liberdades civis, no ecologismo, etc., tudo associado a compensações sociais limitadas. 

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_21230.jpg

Os novos aliados: Zingaretti (PD) e Di Maio (M5S)

Servidão voluntária

Na Úmbria, a aliança centro-esquerda –M5S,  PD,  ecologistas-, propôs programa nos fatos reforçando a integração à União Europeia e ao grande capital internacional. Um repeteco das medidas liberais que levaram ao desastre a sociedade italiana, como tantas outras através da Europa e do mundo. Programa que incendiou a Grécia e hoje subleva a população  no Líbano, no Chile, no Equador, no Haiti e por aí vai. Qualquer semelhança com a ação dos grandes partidos eleitorais ditos de esquerda do Brasil e de seus governos passados é mera coincidência. Defendendo programa nacionalista, desenvolvimentista, anti-imperialista, etc., a Lega e o Fratelli d’Italia são capazes de conquistar e manter largo apoio nas classes médias e mesmo populares. Eles são a verdadeira cara do neo-fascismo e pós-fascismo na era da globalização. 

Os acontecimentos italianos dissolvem as incompreensões sobre o pós-fascismo e o neofascismo tão habituais não apenas no Brasil. Não podemos definir de neofascistas e pós-fascistas movimentos, como o bolsonarismo,  incapazes de interpretar, mesmo demagogicamente,  os anseios de largos segmentos populares e médios, devido a uma orientação antinacional, antidesenvolvimentista, pró-liberal e pró-imperialista. Esses movimentos contra o fortalecimento da nação, mesmo em viés reacionário, autoritário e antioperário, não conseguem organizar e sustentar um real apoio de massa. Por mais “fascistas” que sejam suas lideranças, no sentido corriqueiro do termo.

 

 





Courtesy of Duplo Expresso/Tlaxcala
Source: https://www.youtube.com/watch?v=0hIEYxQRAhU
Publication date of original article: 31/10/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=27381

 

Tags: SalvininiFascismoItálietinhaUEropa
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.