TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 22/09/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / O Sultão brilha na corte do Rei Dragão
Date of publication at Tlaxcala: 11/07/2019
Original: Sultan shines in the court of the Dragon King
Translations available: Français 

O Sultão brilha na corte do Rei Dragão

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

 A imagem gráfica da Turquia pivoteando-se para longe da OTAN e na direção da parceria estratégica Rússia-China chegou até nós graças, em mais de um sentido, pelo presidente turco Tayyip Erdogan visitando o presidente Xi Jinping em Beijing imediatamente depois do G20 em Osaka.

Beijing, dia 2 de julho de 2019. Foto Presidência turca / Murat Cetinmuhurdar / Anadolu e AFP

Turquia é um nodo chave nas emergentes Novas Rotas da Seda, ou “Iniciativa Cinturão e Estrada”. Erdogan é mestre na arte de vender a Turquia como o mais importante entroncamento no qual se cruzam Oriente e Ocidente. Também manifestou muito interesse em se unir à Organização de Cooperação de Xangai (OCX), liderada por Rússia-China, cuja reunião anual de cúpula aconteceu em Bishkek, uns poucos dias antes de Osaka.

Paralelamente, contra o inferno e o mar alto – das ameaças de mais sanções pelo Congresso dos EUA, aos avisos da OTAN – Erdogan jamais arredou pé da decisão de Ancara de comprar sistemas russos S-400s de mísseis de defesa, contrato de $2,5 bilhões, segundo Sergei Chemezov, da Rostec.

Os S-400s começaram a ser embarcados para a Turquia já essa semana. Segundo o ministro de Defesa da Turquia, Hulusi Akar, começarão a ser montados em outubro. Para furiosa ira de Washington, Turquia é o primeiro estado membro da NATO a comprar S-400s.

Xi, ao dar boas-vindas a Erdogan em Beijing, reforçou a mensagem que burilaram, ele e Putin, nos encontros anteriores que tiveram em São Petersburgo, Bishkek e Osaka: China e Turquia devem “promover uma ordem mundial multilateral, cujo núcleo seja a ONU, sistema regido pela lei internacional.”

Erdogan, por sua vez, reforçou o encanto –, de coluna assinada no Global Times elogiando uma visão comum de futuro, até profundar-se em alguns detalhes. Seu objetivo e consolidar os investimentos chineses em múltiplas áreas na Turquia, direta ou indiretamente relacionados a Iniciativa Cinturão e Estrada.

Presidentes Erdogan da Turquia e Xi Jinping da China (esq.) passam em revista a guarda de honra na cerimônia oficial de boas-vindas no Grande Salão do Povo em Beijing, dia 2 de julho. Foto: Volkan Furuncu / Anadolu / AFP

Sem se intimidar ante o dossiê uigur, extremamente sensível, Erdogan realizou com destreza uma pirueta. Deixou de lado as acusações do próprio Ministério de Relações Exteriores da Turquia, para o qual se praticam “tortura e lavagem cerebral” nos campos de detenção uigures e comentou que os uigures “vivem felizes” na China. “É fato que os povos da região chinesa de Xinjiang vivem felizes no desenvolvimento e na prosperidade da China. A Turquia não permite que seja quem for promova a desarmonia no relacionamento Turquia-China.”

É ainda mais surpreendente, se se considera que na década passada o próprio Erdogan acusou Beijing, de genocídio. E num caso famoso, em 2015, centenas de uigures já em vias de serem deportados da Tailândia de volta à China, terminaram, depois de muito barulho, sendo reassentados na Turquia.

A neocaravana geopolítica

Erdogan parece ter finalmente entendido que as Novas Rotas da Seda são a versão 2.0 digital das Antigas Rotas da Seda cujas caravanas conectavam o Império do Meio, pelo comércio, a incontáveis terras do Islã – da Indonésia à Turquia, do Irã ao Paquistão.

Antes do século 16, a principal linha de comunicação que atravessava a Eurásia não era marítima, mas uma cadeia de estepes e desertos do Sahara à Mongólia, como Arnold Toynbee tão maravilhosamente constatou. Andando pela trilha, encontraria mercadores, missionários, viajantes, intelectuais, por todo o caminho, até Turco-mongóis da Ásia Central migrando para o Oriente Médio e o Mediterrâneo. Todos esses formaram a matéria-prima da troca e da interconexão culturais entre Europa e Ásia – que ultrapassava em muito a descontinuidade geográfica.

Pode-se dizer que Erdogan consegue agora interpretar as novas folhas de chá. A parceria estratégica Rússia-China – diretamente envolvida em conectar Cinturão e Estrada e a União Econômica Eurasiana e, também, o Corredor de Transporte Internacional Norte-Sul – considera Turquia e Irã nodos chaves de interconexão, absolutamente indispensáveis para o processo de múltiplas camadas superpostas da integração da Eurásia.

Um novo eixo geopolítico e econômico Turquia-Irã-Qatar vai-se constituindo lenta mas ininterruptamente no Sudoeste da Ásia, ainda mais conectado a Rússia-China. O impulso é a integração da Eurásia, visível, por exemplo, num frenesi de construção de ferrovias concebidas para conectar as Novas Rotas da Seda ao corredor de transporte Rússia-Irã, ao Mediterrâneo Oriental e ao Mar Vermelho e, para leste, do corredor Irã-Paquistão até o Corredor Econômico China-Paquistão, um dos destaques de Cinturão e Estrada.

Tudo isso apoiado sobre acordos interligados de cooperação nos transportes que envolvem Turquia-Irã-Qatar e Irã-Iraque-Síria.

O resultado final não só consolida o Irã como nodo chave de conectividade de Cinturão e Estrada e parceiro estratégico da China, mas também consolida, por contiguidade, a Turquia – a ponte para a Europa.

Dado que Xinjiang é o nodo chave na China Ocidental, que se conecta com vários corredores da Iniciativa Cinturão e Estrada, Erdogan teve de encontrar um meio de campo – minimizando no processo, em grande medidas, onda de desinformação e a sinofobia inflada pelo ocidente. Pode-se dizer que, ao aplicar o pensamento de Xi Jinping, Erdogan optou por privilegiar o entendimento cultural e as trocas cara a cara, acima de uma batalha ideológica.



Bandeiras de China e Turquia lado a lado em Beijing, durante visita de Erdogan à China, 2 de julho. Foto: Wang Xin/ ImagineChina / AFP

Pronto para mediar

Com seu sucesso na corte do Rei Dragão, Erdogan sente-se agora suficientemente fortalecido para oferecer seus serviços de mediador entre Teerã e o governo Trump – aceitando a sugestão do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, no G20.

Erdogan não se teria apresentado, se a questão já não tivesse sido discutida previamente com Rússia e China – as quais, detalhe crucialmente importante, são membros signatários do Acordo Nuclear do Irã (o “Plano Amplo de Ação Conjunta”, ing. Joint Comprehensive Plan Of Action (JCPOA).

Fácil ver como Rússia e China devem considerar a Turquia o mediador perfeito: vizinho do Irã, proverbial ponte entre o Oriente e o Ocidente, e membro da OTAN. A Turquia é certamente muito mais representativa que o grupo UE-3 (França, Reino Unido e Alemanha).

Trump parece querer impor – ou pelo menos dá a impressão de querer impor um JCPOA 2.0 sem assinatura de Obama. A parceria Rússia-China pode facilmente expor o blefe dos EUA, tão logo o assunto seja discutido com Teerã, oferecendo uma nova mesa de negociações que inclua a Turquia. Ainda que permaneça o inefetivo – em todos os sentidos – grupo UE-3, haveria contrapeso real, sob a forma de Rússia, China e Turquia.

De todos esses importantes movimentos no tabuleiro de xadrez geopolítico, uma motivação destaca-se entre os atores protagonistas: a integração da Eurásia não pode avançar significativamente, sem enfrentar a obsessão de Trump por sanções.







Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.asiatimes.com/2019/07/article/sultan-shines-in-the-court-of-the-dragon-king/
Publication date of original article: 09/07/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26488

 

Tags: Erdogan-Xi JinpingChina-Turquia
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.