TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 24/06/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Caçar Huawei não levará a vitória alguma na guerra tech
Date of publication at Tlaxcala: 22/05/2019
Original: Why capturing Huawei is no victory in tech war

Caçar Huawei não levará a vitória alguma na guerra tech

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

 

A Huawei chinesa é a Rainha, no tabuleiro do xadrez tech. Pequim limitar-se-á a mandar seus garotos-tech escalar para o nível seguinte.

"O nosso novo inimigo nº 1 ": Declaração de guerra, por  Antonio Rodríguez, México


Trata-se de guerra geopolítica e geoeconômica. Guerra fria, até aqui, mas agora a um passo de mergulhar em congelamento profundo. A Estratégia de Segurança Nacional dos EUA declara precisamente isso, com todas as letras. China é opositor estratégico que tem de ser contido a qualquer preço, em todas as frentes: econômica, militar e, sobretudo, tecnológica.

Entra em cena a ofensiva concertada atual, em todo o espectro, da tecnologia 5G e da Inteligência Artificial até os movimentos para tentar impedir o avanço da globalização 2.0. Acrescente-se a isso pressão máxima em todo o mundo para impedir que outras nações se unam às Novas Rotas da Seda, ou Iniciativa Cinturão e Estrada, ICE – o conceito organizador de política estrangeira para a China em futuro próximo, e mapa estratégico do caminho para a integração da Eurásia até 2049.

Tudo está interconectado: a guerra comercial do governo Trump; o bloqueio da Huawei (pela empresa Google), impedida de usar o sistema operacional Android; a demonização da Iniciativa Cinturão e Estrada. Tudo tem a ver com controlar as cadeias de suprimento global; e com a infraestrutura ideológica.

Huawei não é reles peão: é a Rainha no tabuleiro do xadrez tech. Num ambiente no qual as empresas chinesas de TI estão escalando rapidamente várias etapas em termos de patentes científicas registradas, a Huawei já é a primeira entre iguais. Do conhecimento tecno-científico à pesquisa aplicada e soluções criativas de mercado, a China-tech já é uma “ameaça” concertada aos EUA-tech. Aí está o coração do choque geopolítico e geoeconômico entre o hegemon e a superpotência aspirante.

Pressão contra Alemanha, Reino Unido e Itália, por exemplo, baseada num conceito difuso de ‘agressão econômica’, não forçará essas nações industrializadas a descartar a Huawei, porque podem beneficiar-se da liderança da [empresa] Huawei na tecnologia 5G, para criar suas próximas cidades ‘inteligentes’ ou seguras.

Fragmentar cadeias globais de suprimento – como o governo Trump tenta fazer – tampouco resolve, porque a interdependência continua vigente. Cerca de 22% dos produtos Huawei incluem componentes norte-americanos, e o chip Snapdragon da norte-americana Qualcomm é parte dos smartphones chineses.

O que mais importa é se Made in China virá com pacotes criativos totais, privilegiando valor agregado para os negócios, visando a uma massa global de consumidores, privados e corporativos. Esse processo está no coração de Made in China 2025, que visa a quebrar a dependência em relação à tecnologia ocidental e a configurar a China como líder global em Inteligência Artificial, serviços de nuvem, Internet das Coisas [ing. Internet of Things (IoT)], automação industrial 4.0, biotecnologia, aeroespaço. Adeus, baixos custos na manufatura de massa. Alô, nuvem de tecnologias emergentes.

Kai-Fu Lee, ex-presidente do Google China

O caminho a seguir é ‘Asianomics

Em ‘AI Super-powers: China, Silicon Valley and the New World Order [Superpotências em Inteligência Artificial: China, Vale do Silício, e Nova Ordem Mundial] de Kai-Fu Lee, capitalista que financia empresas startup e pequenos negócios que se espera que tenham possibilidades de crescimento de longo prazo. Com décadas de experiência nos dois lados do tech-negócio, Kai-Fu Lee demonstra conclusivamente como a tecnologia “será como uma cunha que separará as superpotências da Inteligência Artificial e o resto do mundo, e pode dividir a sociedade por linhas de classe”, à maneira de “science fiction distópica.”

EUA e China já são superpotências de IA porque, à parte os talentos e os laboratórios de primeira linha, podem contam com “vasta base de usuários e com vibrante ecossistema empresarial e de capitais de risco”.

Em toda a Eurásia, seguindo as pegadas da Iniciativa Cinturão e Estrada, a China está fadada a governar, com 5G e IA, do Sudeste ao Sudoeste da Ásia e dali diretamente até a África.

Resta pois a Europa Ocidental, com campo de combate chave, para internet e serviços de internet, a ser conquistada pela Huawei e outras tech-empresas chinesas. Sempre importante lembrar que uma grande maioria dos ditos “aliados” dos EUA – especialmente na Ásia, mas também em vastas porções da Europa – já têm comércio mais ativo e mais investimentos com a China do que com os EUA.

5G estabelecerá um novo tecnoparadigma em robótica aplicada à produção industrial, cirurgia por controle remoto, soluções de transporte movidas por IA, logística de distribuição e incontáveis outros campos de especialização. Pense, por exemplo, no embarque de contêineres para comunicação autônoma – num livre fluxo de alta velocidade de conexão.

Nesse novo ambiente, Huawei é ‘menor’, mais leve, mais inovadora, e seus produtos consomem menos energia. Acrescente a isso que as empresas chinesas vão acumulando experiência com operadores de telecom, investindo por exemplo em centros e laboratórios de pesquisa na Europa, como o Centro Huawei para Transparência e Ciber-segurança [ing. Huawei Transparency and Cyber Security Center] em Bruxelas.

Não só a China, mas a Ásia como um todo, vai-se tornando o motor privilegiado do desenvolvimento tecnológico do século 21. Bem-vindos pois a “Asianomics”.

Significa que Huawei, ainda que sob ataque do governo dos EUA e rejeitada por Google, não terá problemas para encontrar fornecedores chineses e asiáticos. Na verdade, preparem-se para Pequim direcionar todas as majors tecnológicas chinesas para que produzam todas as tecnologias e componentes que a China ainda não tenha. Há muitos precedentes. Consideremos aqui rapidamente só um dos mais importantes.

Inovar ou morrer

Em setembro de 2014, o primeiro-ministro Li Keqiang falou à plateia do “Davos de Verão” chinês em Tianjin, para explicar como a inovação tecnológica era essencial para criar crescimento e para modernizar a economia chinesa.

Esses discursos normalmente são litania sonífera de jargão e exortações ao trabalho. Mas daquela vez Li apareceu com slogan novo, jamais ouvido: “Empreendedorismo em massa e inovação em massa”. E essa, em pouco tempo, já era a palavra-de-ordem para um processo estimulado pelo estado para promover a criação de ecossistemas favoráveis às startups, com apoio forte à inovação tecnológica.

Em julho de 2015, o Conselho de Estado da China – ao qual cabe apresentar todas as grandes políticas realmente importantes – emitiu uma diretiva: doravante todos devem embarcar no vagão “do empreendedorismo e da inovação em massa”. A meta era criar milhares de incubadoras de tecnologia, zonas de empreendedorismo e “fundos de orientação”, apoiados por Pequim, para atrair mais e mais venture capital privado, paralelamente com políticas fiscais sedutoras e facilitação em todos os processos legais para quem quisesse iniciar o próprio tech-negócio.

Na China, as coisas funcionam assim. O governo central pode fixar os principais objetivos. Mas a implementação de qualquer plano é totalmente local – com milhares de prefeitos e funcionários locais. Esse pessoal só consegue ser promovido, dentro da vasta burocracia, se tiver desempenho satisfatório. E os examinadores são, claro, dos altos escalões do departamento de recursos humanos do Partido Comunista Chinês. Fácil imaginar portanto o frenesi, quando Pequim fixa metas e alvos claros. Mostrem serviço – ou se esvaiam no esquecimento, com a carreira paralisada.

É exatamente o que acontecerá a seguir. Pequim dirá ao setor tech do país que escalem para o nível superior. Quem quer que tenha visto o centro frenético de experimentação que é Shenzhen, sabe o que isso significa. Não há dúvida de que o ataque dos EUA à Huawei chinesa sairá pela culatra.

Agora, Huawei acelerou a implementação de seu próprio sistema operacional, que será integralmente adaptado para mercados globais. O que era o Plano B dos chineses, é agora Plano A – mais a vingança. Jamais subestime o poder de consequências não planejadas: o momento em que Huawei quebrará o monopólio de fato da empresa Google, pode estar a um tech-passo de distância.






Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.asiatimes.com/2019/05/article/why-capturing-huawei-is-no-victory-in-tech-war/
Publication date of original article: 21/05/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26096

 

Tags: Guerra comercial EUA-ChinaGoogle contra HuaweiCapitalismo tech chinêsGuerra Fria tech
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.