TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 16/10/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / “Mortos não morrem”: vão à guerra
Date of publication at Tlaxcala: 20/05/2019
Original: The Dead Don’t Die: They March to War

“Mortos não morrem”: vão à guerra

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

 A histeria reina suprema. Como no novo filme de Jim Jarmusch, The Dead Don’t Die, A Volta dos Neocons Mortos Vivos, refilmagem boca-do-lixo dos movimentos que levaram a “Choque e Pavor” em 2003, continua orquestrando a marcha dos zumbis.

Mas ninguém, na mídia-empresa norte-americana pró-guerra fala da crise quatrilhonária de derivativos que engolirá a economia global, se o Irã for atacada (tratei disso aqui). Fechar o Estreito de Ormuz porá abaixo o mercado de 2,5 quatrilhões de derivativos, que praticamente varrerá as economias de todas as nações ocidentais.

Ninguém fala do arsenal massivo que o Irã montou, de mísseis antinavios, de mísseis balísticos e de mísseis cruzadores, alguns em posições visíveis para satélites e drones dos EUA, distribuídos ao longo do litoral norte do Golfo Persa. Entre eles, os russos SS-NX-26 Yakhont, que voam à velocidade Mach 2,9. Os mísseis antinavios iranianos – como também os russos e chineses – podem pôr abaixo toda a Força Tarefa de Porta-avião dos EUA, antes mesmo de os aviões chegarem à distância para atirar.

Ninguém diz que os EUA precisariam de pelo menos seis meses para implantar exército capaz de combater no Sudeste da Ásia; o cenário do Pentágono, com possível deslocamento de 120 mil soldados, não basta nem para a saída.

E ninguém comenta que Teerã não cederá, nem sob “pressão máxima”.

Navios-tanque sauditas são “sabotados” – e o Irã é instantaneamente declarado culpado, sem qualquer prova. Burocratas britânicos dizem que a guerra pode eclodir “por acidente”. O cônsul Pompeus Minimus apavora os poodles europeus, para que, de medo, isolem o Irã.

E ninguém fala sobre o alvo real de Pompeo, na visita relâmpago a Bagdá: aplicar táticas de gângster. Não façam negócios com Teerã – ou se preparem para o pior. Comprem “nossa” eletricidade marca MAGA (Make America Great Again), não a iraniana. Destruam as Unidades de Mobilização Popular. Ou o tempo vai fechar.

Leve-me com você ao paraíso dos ataques sob falsa bandeira

O negócio entre a santíssima trindade – neoconservadores dos EUA, sionistas conservadores e Bibi Netanyahu – é que ataque sob falsa bandeira, qualquer ataque sob qualquer falsa bandeira, sempre será atribuído a Teerã e ‘forçaria’ o governo Trump, desse modo, a proteger e defender a “ordem legal”. Melhor que isso, só se um ataque sob falsa bandeira mais elaborado conseguir induzir o Irã a responder – o que gerará motivo para os EUA atacarem o Irã.

Trump acerta pelo menos ao dizer que “precisaremos de muitos soldados mais”, além de 120 mil, para atacar o Irã: mais perto de 1 milhão de soldados norte-americanos. Absolutamente não há onde desembarcá-los. Ninguém lá – Iraque, Afeganistão, Turcomenistão, Azerbaijão, Armênia, Turquia, Paquistão –, para dar boas-vindas aos “libertadores”.

Num cenário extremamente quente, Teerã tem até acesso a mísseis nucleares no mercado negro.

Resumo: a ameaça neocon de guerra contra ao Irã é blefe.

O vice-almirante iraniano Hossein Khanzadi fala de tentativa “teatral” e “inútil” para “amplificar a sombra da guerra”.

O comandante da força aeroespacial do Corpo de Guardas da Revolução Islâmica, general-brigadeiro Amir Ali Hajizade disse, em frase que ganhou fama, “unidade de combate norte-americana com 6.000 militares na nossa vizinhança (Golfo Persa) com 40-50 jatos a bordo, foi ameaça. Hoje, para nós, é alvo.”

Teerã disparou mensagem claríssima a todos seus vizinhos, especialmente à Casa de Saud e aos Emirados: toda a infraestrutura por aí será completamente destruída, se os EUA usarem vocês como plataforma para campanha militar.

Há também a saga em andamento, de drone contra oleoduto. Os houthis no Iêmen atacaram duas estações de bombeamento ao longo do oleoduto leste-oeste dos sauditas – que leva petróleo da província Oriental até o Mar Vermelho. Uma das estações pegou fogo. O oleoduto extremamente estratégico – que permite a Riad contornar o Estreito de Ormuz – tem enorme capacidade, transportando 5 milhões de barris/dia, de cru. A operação teve de ser suspensa.

É irrelevante se esse ataque por drone foi operação do Corpo de Guardas da Revolução Islâmica, se foi independente, ou mesmo que tenha sido ataque sob falsa bandeira: em todos os casos é amostra do que pode acontecer a toda a infraestrutura regional de petróleo e gás, em caso de guerra quente.

Conversar com corretores de petróleo tradicionais no Golfo Persa é sempre iluminador. Confirmaram que “se uma estação de bombeamento é destruída, é preciso esperar dois anos até que nova bomba tenha condições de recomeçar a operar. Os sauditas dizem que têm bombas de reservas. Se todas as bombas forem destruídas na Arábia Saudita, nenhum petróleo fluirá durante dois anos. O alvo prioritário seria Abqaiq. Se essa planta de processamento for destruída, os preços dispararão.”

Abqaiq, com enorme capacidade de 7 milhões de barris/dia, é a planta primária de processamento de petróleo cru extraleve e leve árabe.

Assumindo-se que o ataque de drone não tenha sido ataque sob falsa bandeira, os corretores no Golfo Persa ficaram impressionados com a precisão do ‘tiro’ do drone, naquelas distâncias. Essa precisão significa que Abqaiq também é vulnerável. E há absolutamente nada que o governo Trump possa fazer para impedir que o preço do barril salte para $200, se Abqaiq for derrubada.

E até aí, ninguém está falando dos custos de seguro. Como insistem corretores do Golfo Persa, Vito, Trafigura, Glencore e outros operadores não comprarão dois milhões de barris num navio-tanque, a $70 o barril, se não houver seguro – ou os números alcançarão a estratosfera.

Basicamente, basta um navio-tanque afundado no Golfo Persa com dois milhões de barris de petróleo, para fechar permanentemente o Estreito de Ormuz – e interromper todo o tráfego de navios-tanques (22 milhões de barris/dia) de cru, a menos que os governos entrem para segurar os navios-tanques, mesmo que se saiba que não têm meios para protegê-los.

Trata-se de máxima resistência.

Assim sendo, o que quer o Supremo Líder Aiatolá Khamenei? Aí vai, nas próprias palavras de Sua Eminência: “Não haverá guerra. A nação iraniana escolheu a via da resistência”. (...) “Nós não procuramos guerra. Eles, tampouco.”

O principal é que Teerã não conversará com Washington – depois da ‘armadilha’ do “Me telefone”, de Trump. – Nem assinará qualquer tipo de acordo nuclear modificado ou pós-JCPOA. Khamenei: “[Essas] negociações são veneno.”

Se o presidente Trump algum dia tivesse lido Mackinder – e não há qualquer prova de que tenha lido –, poder-se-ia pressupor que estivesse buscando um novo movimento de pivô contra a integração da Eurásia, centrada no Golfo Persa, pondo a energia no coração do pivô.

Se Washington fosse capaz de controlar tudo, inclusive o Irã, “primeiro-prêmio”, conseguiria dominar todas as economias asiáticas, especialmente a China. Trump chegou a dizer que, se acontecesse, “as decisões sobre o PIB chinês serão [seriam] tomadas em Washington.”

Desnecessário dizer, seria a cereja no bolo geopolítico de desestabilizar para sempre as Novas Rotas da Seda, ou Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE), mapa do caminho para a integração da Eurásia, da qual o Irã é nodo crucial.

Corta, para o que disse o presidente Putin, considerando as relações Irã-Rússia: “Tenho dito repetidas vez, em conversas com nossos parceiros iranianos, que, na minha opinião, o mais racional para o Irã é permanecer no Acordo [JCPOA] aconteça o que acontecer. Porque, se o Irã der o primeiro passo de resposta [à saída dos EUA, do JCPOA] e declarar que também se retira do Acordo, amanhã todos já terão esquecido que os EUA iniciaram o desmonte. E toda a culpa será lançada sobre o Irã”.

Pode-se dizer que o desdobramento chave (invisível) dos encontros dessa semana entre os Ministros de Relações Exteriores Sergey Lavrov e Wang Yi, e depois entre Lavrov e Pompeo, é que Moscou deixou bem claro que o Irã contará com a proteção dos russos, no evento de ser confrontado pelos EUA. A linguagem corporal de Pompeo mostrou o quanto esse resultado o abalou.

Haverá muito a conversar, se Putin e Trump realmente se encontrarem no G20 em Osaka mês que vem. Entrementes, pode até acontecer de os mortos morrerem, mesmo sem irem à guerra.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://bit.ly/2LXEa1u
Publication date of original article: 17/05/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26080

 

Tags: Neocons Mortos VivosBlefe EUA sobre IrãIrã-EUA
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.