TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/10/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / EUA-China: jogo realmente pesado ainda nem começou
Date of publication at Tlaxcala: 13/05/2019
Original: US-China: the hardcore is yet to come

EUA-China: jogo realmente pesado ainda nem começou

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Comecemos pelo “longo” século 16 – o qual, como o século 21, assistiu a um processo turbulento de marquetização. Naquele momento, os Jesuítas e a Contrarreforma tentavam expandir-se pela Ásia, mas num contexto no qual a rivalidade entre as superpotências ibéricas do tempo, Espanha e Portugal, ainda vigia.

 

Um navio porta-contêiner descarregndo no terminal portuário de Long Beach, Califórnia, em 10 de maio, enquanto as negociações para resolver a batalha comercial entre EUA e China terminaram na sexta-feira sem acordo, mas sem interrupção. Foto: Mark Ralston / AFP

A Reforma ligou-se primeiro à talassocracia comercial holandesa – império nascido no mar, com o correspondente comercio marítimo – a partir da mais estrita propaganda do dogma religioso. O reino marítimo da Grã-Bretanha ainda ganhava tempo e preparava seu jogo. A emergência do Protestantismo avançou paralelamente à emergência do Neoconfucionismo no Leste da Ásia.

Avance a narrativa até nossos tempos turbulentos. A marquetização – renomeada para “globalização” – parece em crise. Mas não no Império do Meio, que agora investe na globalização 2.0, enfrentando a crescente rivalidade da outra superpotência, os EUA.

A talassocracia norte-americana está sendo superada pela Vingança da Terra Central [ing. the Heartland, terminologia de Mackinder], na forma da pareceria estratégica Rússia-China – parceria que vê a integração do comércio eurasiano, como manifesta pelas Novas Rotas da Seda, ou Inciativa Cinturão e Estrada (ICE), vistas como crucialmente decisiva, acima do dogma MAGA [ing. Make America Great Again, “Fazer a América Grande Outra Vez”].

Entrementes, o ressurgimento do populismo de direita no ocidente reproduz a ressurgimento do Neoconfucionismo pragmático em toda a Ásia.

ICE – principal veículo para a integração da Eurásia – jamais teria surgido sem as quatro décadas de desenvolvimento chinês, em velocidade vertiginosa.

Meus leitores mais bem informados sobre geopolítica, como o magnificamente enigmático Larchmonter, estão em sincronia com o que ouço – já há anos – em minhas conversas com os mais importantes analistas na Rússia, na China, no Irã, na Turquia e no Paquistão: depois do confuso “pivô para a Ásia” do governo Obama, a resposta do governo Trump ao surgimento da China tem sido meter todas as cunhas possíveis em todas as engrenagens à vista.

Daí a histeria em curso sobre tarifas, a ofensiva comercial, a demonização da ICE, de Made in China 2025 e da prevalência da 5G da Huawei, e todas as modalidades de táticas para perturbar, de Guerra Híbrida, das repetidas ‘questões’ sobre “liberdade de navegação” no Mar do Sul da China, ao processo acelerado de armar Taiwan.

E tudo isso devidamente empurrado por avalanche sem fim de ‘análises’ compradas para publicação nos veículos de mídia, sempre apresentando a empresa Huawei como “suspeita” ou permanentemente “não merecedora de confiança”.

Do ponto de vista da hiperpotência, só pode haver um final para esse jogo: uma economia chinesa amputada, incapacitada para sempre e de preferência em estado de permanente agonia –, e com demografia desfavorável, para começar.

Soja da Ucrânia é descarregada no porto em Nantong, na China oriental. A soja era importada dos EUA, mas tudo mudou depois do início da guerra comercial. Foto: AFP

Onde estão nossos trabalhos?

Pausa no som e fúria, para alguns necessários detalhes precisos. Ainda que o governo Trump aplique 25% de tarifas em toda as exportações chinesas para os EUA, o FMI já projetou que haverá mínimo impacto – menos 0,55% – no PIB da Rússia. E os EUA dificilmente terão qualquer ganho, porque as super tarifas não trarão de volta aos EUA os empregos de manufatura – precisamente o que Steve Jobs disse, a eras, a Barack Obama.

O que acontece é que essas cadeias globais de suprimento serão redirecionadas para economias que oferecem vantagens comparativas em relação à China, como Vietnã, Indonésia, Bangladesh, Cambodia e Laos. Redirecionamento que já está mesmo acontecendo – acionado inclusive por empresas chinesas.

A Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE) representa investimento geopolítico e financeiro massivo pela China, e também por parceiros da China; já são mais de 130 estados e territórios signatários. Pequim está usando seu imenso pool de capital para fazer a própria transição rumo a uma economia baseada no consumidor, ao mesmo tempo em que promove o desenvolvimento necessário da infraestrutura paneurasiana – com todos aqueles portos, ferrovias para trens de alta velocidade, fibra ótica, redes de fornecimento de energia elétrica que se expandem para a maioria das latitudes do Sul Global.

O resultado final, até 2049 – prazo para expansão da ICE –, será o advento de um mercado integrado de não menos que 4,5 bilhões de pessoas, naquele momento, com acesso a alguma cadeia chinesa de exportação de produtos high-tech e também dos mais prosaicos itens de consumo.

Quem tenha acompanhado os acertos e parafusos do milagre chinês lançado pelo Pequeno Timoneiro Deng Xiaoping em 1978 sabe que Pequim está, na essência, exportando o mesmo mecanismo que levou todos os próprios 800 milhões de chineses, num relâmpago, a se tornarem membros de uma classe média global.

Por mais que o governo Trump possa apostar na tática de “pressão máxima” para conter ou até bloquear o acesso dos chineses a todos os setores do mercado dos EUA, o que realmente conta é que o avanço da ICE saberá gerar mercados múltiplos, extra EUA, ao longo dos próximos 20 anos.

Não fazemos ‘ganha-ganha’

Não há ilusões no Zhongnanhai, assim como tampouco há ilusões em Teerã ou no Kremlin. Esses três atores top da integração da Eurásia estudaram exaustivamente o modo como Washington, nos anos 1990s, devastou a economia da Rússia pós-URSS (até que Putin, afinal, arquitetou uma recuperação); e o modo como Washington só faz tentar destruir também completamente o Irã, já há 40 anos.

Pequim, como Moscou e Teerã, sabem tudo que há para saber sobre Guerra Híbrida, que é conceito criado pela inteligência dos EUA. Sabem que o alvo estratégico crucial da Guerra Híbrida, seja qual for a tática, é gerar caos social e mudança de regime.

O caso do Brasil – um dos BRICS, como China e Rússia – foi até mais sofisticado: uma guerra Híbrida inicialmente arquitetada por espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA, envolveu para guerra dita ‘jurídica’ [em que o aparelho judiciário é usado como arma de guerra] e mudança de regime [golpe] pela via eleitoral. Mas concluiu-se com ‘missão cumprida’ – o Brasil já foi reduzido ao status degradado de neocolônia dos EUA.

Não esqueçamos um antigo marinheiro, o legendário Almirante Zheng He, chinês e muçulmano, que por 30 anos, de 1405 a 1433, comandou sete expedições pelos mares até a Arábia e a África Oriental, tendo chegado a Champa, Bornéu, Java, Malacca, Sumatra, Ceilão, Calicut, Ormuz, Áden, Jeddah, Mogadiscio, Mombasa, levando toneladas de itens para comerciar (seda, porcelana, prata, algodão, instrumentos de ferro, utensílios de couro).

Essa foi a Rota Marítima da Seda original, que progrediu em paralelo com o trabalho do Imperador Yong Le, que estabeleceu uma Pax Sinica [Paz Chinesa] na Ásia – sem precisar nem de colônias nem de proselitismo religioso. Mas a dinastia Ming retraiu-se – e a China voltou à vocação agrícola de cuidar de si mesma.

Não cometerão duas vezes o mesmo erro. Mesmo sabendo que o hegemon de hoje não faz “ganha-ganha”. Preparem-se, porque o jogo realmente pesado ainda nem começou.

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.asiatimes.com/2019/05/article/us-china-the-hardcore-is-yet-to-come/
Publication date of original article: 11/05/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26027

 

Tags: Guerra comercial EUA-ChinaDeclínio império yankee
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.