TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 07/12/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 CULTURE & COMMUNICATION 
CULTURE & COMMUNICATION / Tempo dos canalhas
Date of publication at Tlaxcala: 31/01/2019
Original: La hora de los canallas
Translations available: Français 

Cronópiando
Tempo dos canalhas

Koldo Campos Sagaseta

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

O rastro do petróleo é também o rastro da guerra, da destruição: Iraque, Líbia, Síria… Venezuela. A maior reserva de petróleo do mundo está na Venezuela, que tem também muitos outros e muito valiosos recursos naturais. Assim se explica por quem, desde que a história mudou de rumo na Venezuela, o Mercado, que rege os destinos do mundo, decidiu a sorte da Venezuela. Dado que as urnas não obedeciam aos desejos do Mercado, foram postos em operação todos os demais procedimentos habituais que se adotam sempre que, como diria Obama, “torcemos o braço de países que não sabem argumentar”: bloqueio, sabotagem, ocupação e roubo, manifestações de rua organizadas fora de lá, assassinatos, terrorismo, atentados, golpes de Estado…

http://i0.wp.com/www.revistarepublica.com.mx/wp-content/uploads/2019/01/fisgon-8.jpg?w=326

E agora é isso. Sob a lona do circo na qual se escondeu a vergonha da cara, Donald Trump, representante e porta-voz do ‘mundo livre’, nomeia um presidente para a Venezuela, que faz seu juramento de posse num palco de comício. E a Europa bate palmas. Rapidamente subiram àquele picadeiro todos os palhaços de sempre. Só falta o “homem-bala”, mas foi deixado para a derradeira exibição desse circo macabro, marcada com prazo de oito dias, que está correndo.

Os grandes veículos encarregaram-se de explicar por que há tanta fome na Venezuela e nenhuma fome em Honduras ou em El Salvador; por que tanto nos inquieta a emergência humanitária que a Venezuela vive, e que se foda o Haiti; por que a violência na Venezuela nos assusta e pouco nos importam os massacres na Colômbia; por que a corrupção na Venezuela é notícia, e a corrupção na República Dominicana é como se tivesse sido apagada do mundo; por que as manifestações de rua são legítimas em Caracas, e subversivas em Paris; por que Maduro é ditador, e Bolsonaro e Macri são “presidentes”; por que o governo bolivariano da Venezuela é “regime”, mas são “governos” as demais colônias sul-americanas dos EUA, com alvará do império para se apresentarem como se fossem “repúblicas”.

Quando até a dissimulação parece-lhes desnecessária, os canalhas emergem em todo o esplendor.

(Prisioneiros bascos-País Basco / Liberdade para os presos políticos /Liberdade para os prisioneiros de Alsasua / Avante Governo Bolivariano da Venezuela)

“Se a imprensa é canalha, que falem as muralhas”





Courtesy of Tlaxcala
Publication date of original article: 28/01/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=25212

 

Tags: VenezuelaContrarrevoluçãoMídiamentirasVenezuelaAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.