TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 09/12/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Putin cria RIC, formato trilateral com Índia e China
Bolsonaros ‘jurídicos’ nem tomaram posse, e Brasil já foi descartado dos BRICS
Date of publication at Tlaxcala: 05/12/2018
Original: RIC: Putin initiates trilateral summit with India and China

Putin cria RIC, formato trilateral com Índia e China
Bolsonaros ‘jurídicos’ nem tomaram posse, e Brasil já foi descartado dos BRICS

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

 

O encontro trilateral de Rússia, Índia e China à margem do G20 em Buenos Aires dia 1/12 revelou-se um evento histórico, um marco na história da segurança da Ásia e da política global. O já chamado formato RIC deu um salto adiante, com os líderes dos três países decidindo “manter outros desses encontros trilaterais nas reuniões multilaterais” – para citar declarações do Ministério de Relações Exteriores da Índia.


Especialmente interessante é que o presidente Vladimir Putin da Rússia tomou a iniciativa, e os dois outros, o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi e da China, presidente Xi Jinping imediatamente abraçaram a ideia. Os três estavam intensamente conscientes do contexto real em que o encontro aconteceu.

Falaram do imperativo que é hoje a cooperação coordenada entre seus países, para que se enfrentem os desafios da segurança e do desenvolvimento. Repetidas vezes enfatizaram a importância de se promoverem o sistema multilateral, a democratização da ordem internacional e a paz e estabilidade do mundo.

Não por acaso, a fala do primeiro-ministro Modi foi a mais enfática e específica. Modi observou que a reunião gerava “uma oportunidade para que se discutissem livre e abertamente alguns temas cruciais, que hoje causam apreensão no plano global”. Modi continuou:


“Senhores, sem dúvida o mundo hoje passa por mudanças sérias, grave instabilidade e crescentes tensões geopolíticas. A liderança global enfrenta pressão grave. As relações multilaterais e a ordem mundial baseada em regras comuns para todos estão cada dia mais violentamente rejeitadas por vários grupos unilaterais, transnacionais e locais, e por diferentes nações em todo o mundo. É o que todos vemos acontecer, com sanções impostas sem autorização da ONU, enquanto medidas protecionistas vão ganhando fôlego.”

“A Agenda de Desenvolvimento de Doha nos marcos da Organização Mundial do Comércio fracassou. Desde o Acordo de Paris não vimos o necessário nível de atenção financeira, dos países desenvolvidos, para ajudar os países em desenvolvimento. Assim sendo, no que tenha a ver com atenção à preservação do meio ambiente, a justiça corre grave risco. Ainda estamos muito longe de alcançarmos os objetivos do desenvolvimento sustentável.”


A crítica quase explícita de Modi, às políticas dos EUA, não passará despercebida. Os três líderes destacaram que Rússia, Índia e China têm importante papel de liderança no atual quadro internacional e reconheceram a necessidade de reforçar o mecanismo de cooperação trilateral de Rússia, Índia e China, os RIC.

A cúpula dos RIC em Buenos Aires pode ser vista como a evolução lógica das mudanças que estão em curso na geopolítica da região do Pacífico Asiático em tempos recentes. Apesar de robustos esforços dos EUA, os países da região resistem a se identificar com os barulhentos movimentos do governo Trump contra a China. Dito em termos simples, ninguém quer se envolver nas políticas erráticas e imprevisíveis dos EUA

Por outro lado, a capacidade dos EUA para dominar militarmente a China está diminuindo rapidamente, com a China expandindo sua influência no sudeste da Ásia e no Pacífico ocidental, que, tradicionalmente, foi “esfera de influência” exclusiva dos EUA.

O projeto de “EUA em primeiro lugar” do governo Trump afastou países asiáticos como a Índia, ao qual só interessa relacionar-se com os EUA se for relacionamento baseado no respeito mútuo e para benefício dos dois lados.

Do ponto de vista da Índia, especialmente, Modi mostrou entusiasmo com a iniciativa de Putin, de formatar uma reunião trilateral, para os países RIC. É preciso contudo explicar melhor o cálculo de Modi.

O primeiro-ministro da Índia não apenas fez renascer as cálidas relações Índia-Rússia, que entraram em atrofia na última década; ele vê a parceria como uma âncora extra, âncora de segurança, a proteger a autonomia estratégica da Índia. Em retrospecto, o encontro informal de Modi com Putin em Sochi foi momento de definição das estratégias regionais e globais da Índia no ambiente internacional tão altamente volátil.

Em outubro, Modi já tomara a importante, corajosa decisão de fazer avançar o negócio da compra do sistema S-400 de mísseis russos, já diante de descomunal pressão dos EUA. Essa decisão é evidência muito clara de que o primeiro-ministro está decidido a construir e manter política exterior de independência. Na verdade, a reunião trilateral dos RIC aconteceu imediatamente depois de o presidente Trump ter cancelado, no último instante, a reunião agendada com Putin.

Em segundo lugar, Modi está trabalhando para fazer acontecer o consenso que estabeleceu com o presidente Xi, no encontro informal que tiveram em abril, em Wuhan. Índia e China intensificaram seus contatos bilaterais com vistas a ampliar a comunicação estratégica entre os dois países. Modi encontrou-se três vezes com Xi, só nos últimos meses, a partir de abril. (A reunião “bilateral” Modi-Trump aconteceu em novembro de 2017.)

O afastamento, em relação às políticas dos EUA para conter a China, que a Índia está calibrando cuidadosamente, foi articulado com perfeita clareza por Modi em importante discurso no Diálogo de Xangrilá, em Cingapura, dia 1º de junho, quando procurou abordagem inclusiva na questão da segurança do Pacífico Asiático.

O “espírito Wuhan” produziu resultados positivos. As tensões na fronteira Índia-China foram reduzidas e agora o foco é construir confiança, para que adiante se trate da disputa de fronteira. Recentemente, o embaixador chinês na Índia disse que as relações bilaterais conhecem hoje um dos melhores períodos de toda a história.

Pode-se conjecturar que Putin rapidamente colheu o momento para ligar os pontos em nível de reunião oficial de cúpula, e apresentar a proposta de um novo formato RIC [do qual o (B)rasil está sendo amputado pelo governo Bolsonaro & STF-com-tudo e jogado no abismo da dependência mais acanalhada (NTs)].

A ideia já havia sido exposta originalmente em 1998* pelo então ministro de Relações Exteriores da Rússia e importante pensador-estrategista Evgeniy Primakov, mas estava à frente de seu tempo. Vinte anos depois, é visível que o formato RIC absolutamente não precisa impor limitações às políticas independentes e sem modelagem ‘de bloco’, da China e/ou da Índia [e o Brasil, em 2016, já foi amputado, pelos EUA, do formato].

Enquanto isso, ao longo dessas duas décadas, o chamado “Triângulo Primakov” também engendrou um vetor oriental na política externa russa, com Moscou priorizando o fortalecimento de suas relações com países asiáticos. Muito importante, o ponto forte da doutrina Primakov – o foco na cooperação multilateral e em instituições multilaterais – provou ser visão ampla e de longo e efetivo alcance e ganhou relevância.

Tudo isso considerado, a Rússia vê o formato RIC e correspondente mecanismo de diálogo como elemento indispensável de diplomacia assumidamente multilateral que dá peso aos processos que levam na direção de se estabelecer uma ordem mundial justa. É preciso ainda esperar para ver como o formato RIC evoluirá no nível de cúpula como triangulação estratégica.

Há um grau de assimetria dentro do grupo RIC, dado que a Rússia mantêm relações militares e políticas próximas com os dois outros estados, China e Índia, o que não acontece entre China e Índia. Mais uma vez, Índia e China têm forte interesse na parceria econômica com o ocidente. Nem Índia ou China estão buscando qualquer aliança “antiocidental”. Mas o formato RIC é suficientemente flexível para dar espaço à discussão sobre o amplo alcance dos problemas internacionais.

Politicamente, a atitude de China e Índia vis-à-vis ao formato RIC continua a ser pragmática, dado que buscam e intensificam relações de cooperação com o ocidente e com a Rússia. Mas na fase pós-Wuhan, Índia e China provavelmente visualizarão o potencial do clube de discussão RIC para criar tração para a normalização sino-indiana. E a Rússia pode desempenhar papel único, histórico, ao estimular essa confiança estratégica.

Em que medida Modi e Putin discutiram ‘sinceramente’ essa faceta do processo RIC quando tiveram conversações “intensas” em Sochi, em maio, ainda não se sabe, mas estão trabalhando num modelo-matriz. Pode-se supor que Rússia e China também têm interesse comum em encorajar a autonomia estratégica da Índia.

Com o tempo, o formato trilateral RIC está destinado a se configurar como grande modelo para o desenvolvimento de negociações para segurança regional e internacional e desenvolvimento global. Alto grau de relação pessoal já está construído entre Putin, Modi e Xi. Chama a atenção, desde já, nessa cúpula RIC, a congruência estratégica entre as declarações oficiais de russos, indianos e chineses.


* No Brasil, governo de FHC. O ministro de Relações Exteriores era Luiz Felipe Lampreia [NTs].

  





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.strategic-culture.org/news/2018/12/04/putin-initiates-trilateral-summit-with-india-and-china.html
Publication date of original article: 04/12/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=24825

 

Tags: RICChina-Índia-Rússia
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.