TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 22/10/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Síria: Gasolina no cessar-fogo
Date of publication at Tlaxcala: 27/12/2015
Original: Siria: Benzina sul cessate il fuoco
Translations available: Français  Español 

Síria: Gasolina no cessar-fogo

Manlio Dinucci Μάνλιο Ντινούτσι مانلیو دینوچی مانليو دينوتشي

Translated by  José Reinaldo de Carvalho

 

A Resolução n. 2.254 sobre a Síria, aprovada por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU, sublinha “a estreita ligação entre um cessar-fogo e um paralelo processo político”.

A desativação do conflito favoreceria uma redução das tensões no Oriente Médio.

Há, porém, um problema: três dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, França e Grã Bretanha – são os mesmos que violaram duramente “a soberania e a integridade territorial da República Árabe Síria”, a qual na resolução dizem “apoiar fortemente”. São os mesmos que organizaram “o crescente afluxo de terroristas na Síria”, pelo qual na resolução “exprimem a mais grave preocupação”.

Mas o “cessar-fogo” depende sobretudo dessas três potências, e da Turquia, todas membros da Otan, posto avançado da guerra encoberta contra a Síria e dos demais membros da Aliança, a começar pela Alemanha. Depende também de outra potência, Israel, que tem as mãos na massa nesta e em outras guerras. Quais as intenções ativas nessa Resolução? Mais do que palavras, valem os fatos.

Dia 18 de dezembro, no mesmo dia em que o Conselho de Segurança traçava o “mapa do caminho para a paz” na Síria, a Otan anunciava o envio de navios de guerra alemães e dinamarqueses e aviões radar Awacs à Turquia para reforçar a “defesa na fronteira com a Síria”, jogada que, na realidade, fazia mira contra a Rússia, cuja intervenção contra o chamado Estado Islâmico está mudando a favor de Damasco a sorte da guerra.

E no dia seguinte, a Otan anunciava que está pronto o primeiro dos drones Global Hawk que serão instalados no setor norte-americano da Estação Aeronaval de Sigonella, de Itália e Otan, na Sicília, para “vigilância terrestre”, ou seja, para espionar os países enquadrados na mira estratégica dos Estados Unidos e da Otan.

Ainda no mesmo dia em que o Conselho de Segurança desenhava o “mapa do caminho para a paz” no Oriente Médio, a Alemanha anunciava a entrega a Israel do quinto submarino de ataque nuclear. Como documenta o jornal Der Spiegel, são submarinos Dolphin modificados para o lançamento de mísseis cruzadores nucleares, os Popeye Turbo, com raio de 1.500 quilômetros, derivados do mísseis norte-americanos. Com o novo submarino rebatizado Rahav (Poseidon) – cujo custo supera os 2 bilhões de dólares, um terço dos quais financiado pelo governo alemão – Israel reforça a sua posição de única potência nuclear da região, enquanto o Irã (que diferentemente de Israel assinou o Tratado de Não Proliferação) renuncia às armas nucleares, e a Síria entrega as armas químicas construídas como dissuasivo contra as armas nucleares de Israel.

Em 19 de dezembro, um dia depois de o Conselho de Segurança reafirmar “a soberania e a integridade territorial” da Síria, Israel destruía totalmente um edifício em Damasco, com mísseis lançados por dois caças, operação para assassinar o militante libanês Samir Kuntar, da qual resultaram mortos além de Kuntar, vários civis.

Samir Kuntar, depois de 30 anos de cárcere em Israel por ter lutado pela independência do Líbano e da Palestina, foi libertado em uma troca de prisioneiros em 2008, aderiu ao Hesbolá e foi combater o chamado Estado Islâmico; por esta razão era listado por como “terrorista global”.

Ao mesmo tempo, a França, apoiadora no Conselho de Segurança do cessar-fogo na Síria, anunciava ter recebido a soma de mais de 7 bilhões de dólares pelo fornecimento de 24 caças bombardeiros Rafale ao Catar, o regime que alimentou, inclusive com comandos infiltrados, a guerra na Síria, que deu sequência à guerra em que a Líbia foi demolida.

Além desses, lá está também, a pregar cessar-fogos, a Arábia Saudita. Essa, além de financiar com bilhões de dólares o chamado Estado Islâmico e outros grupos terroristas, participa na coalizão dirigida pelos Estados Unidos “contra o Estado Islâmico” e até promoveu uma “coalizão islâmica antiterrorismo”!

 





Courtesy of Blog Resistência
Source: http://ilmanifesto.info/benzina-sul-cessate-il-fuoco/
Publication date of original article: 22/12/2015
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=16925

 

Tags: Síria Conselho de Segurança Cessar-fogoGuerra civilONU
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.